últimas notícias
Policiais militares levam cilindros de oxigênio que chegaram em  Manaus, trazidos por aviões da FAB
Policiais militares levam cilindros de oxigênio que chegaram em Manaus, trazidos por aviões da FAB
Foto: Divulgação PMAM

Em meio à pandemia, governo eleva imposto sobre importação de cilindro de oxigênio

Cilindros de oxigênio de alumínio voltaram a ser taxados em 16%, os de ferro adquiridos do exterior a 14%; produtos estavam isentos desde março de 2020 devido à crise sanitária

Manaus vive uma crise em meio à pandemia da Covid-19, com alta de mortes, casos, internações e falta de oxigênio para os pacientes nos hospitais. O caos ocorre três semanas depois de o governo elevar o imposto de importação sobre cilindros usados no armazenamento de gases medicinais, que estavam isentos desde março de 2020 devido à crise sanitária causada pelo coronavírus.

Os cilindros de oxigênio de alumínio voltaram a ser taxados em 16%, os de ferro adquiridos do exterior a 14%. O fim da isenção tornou mais custosa a aquisição dos produtos.

Em 24 de dezembro de 2020, foram revogados pela resolução do Comitê-Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex), ligada ao Ministério da Economia, a isenção de 185 itens que estavam até então na lista de produtos considerados prioritários no combate à Covid-19 no País.

Já para outros produtos, como armas e pneus, o governo pretende zerar tarifas. A Camex chegou a zerar tarifas de importação para revólveres e pistolas, no início de dezembro, porém a decisão foi suspensa pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Sobre a redução tarifária para os produtos que ajudam no combate à pandemia, o Ministério da Economia informou que as decisões são tomadas “com base nas recomendações do Ministério da Saúde, que é autoridade finalística sobre o assunto no âmbito do governo federal”.

Leia mais:

Manaus começa a transferir pacientes para outros estados

Colapso
Com o sistema de saúde sobrecarregado por causa do avanço da Covid-19 no Amazonas, na quinta-feira vários hospitais de Manaus ficaram sem oxigênio. Segundo relato de médicos, pacientes morreram por asfixia e muitas famílias tentaram comprar o insumo.

Por causa do caos, muitos pacientes foram transferidos para outros estados e aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) foram carregados com cilindros de oxigênio para levar para Manaus. Dois aviões foram enviados de Guarulhos (SP).

O governo brasileiro também pediu nesta um avião do Estados Unidos para ajudar no transporte de cilindros de oxigênio para a cidade.

 

 

 

Comentários

Tops da Gazeta