Publicidade

X

Brasil

A pedido de força-tarefa, Vale afasta mais dez funcionários

Vale afastou dez funcionários citados em recomendação da força-tarefa que investiga o rompimento da barragem de Brumadinho

ALINE

Publicado em 09/03/2019 às 01:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Até o momento, as autoridades contabilizam 193 mortos e 115 desaparecidos em Brumadinho / / Diogo Antunes/Futura Press/Folhapress

A Vale informou na sexta-feira o afastamento de dez funcionários citados em recomendação da força-tarefa que investiga o rompimento da barragem de Brumadinho, no fim de janeiro. A decisão foi tomada pela diretoria da mineradora em reunião na quinta-feira.

No último sábado (2), a companhia já havia comunicado o afastamento voluntário de três diretores e do presidente da companhia, Fabio Schvartsman. A saída deles também foi pedida pela força-tarefa e negociada com o conselho de administração da companhia.

A força-tarefa formada pelas Procuradorias federal e de Minas Gerais e pela Polícia Federal pediu ao todo o afastamento de 14 pessoas. Além de Schvartsman, já deixaram os cargos os diretores Peter Poppinga, Lúcio Cavalli e Silmar Magalhães, todos os três responsáveis por operações de minério de ferro.

Dentre os dez afastados na quinta, sete foram presos no dia 15 de fevereiro e liberados 13 dias depois: Joaquim Pedro de Toledo, Cristina Heloiza da Silva Malheiros, Renzo Albieri Guimarães Carvalho, Arthur Bastos Ribeiro, Alexandre de Paula Campanha, Marilene Christina Oliveira Lopes de Assis Araújo e Felipe Figueiredo Rocha.

Os outros três são Cesar Augusto Paulino Grandchamp, Washington Pirete da Silva e Rodrigo Artur Gomes de Melo, que era gerente executivo do complexo Paraopeba, onde fica a mina Córrego do Feijão. O restante está ligado à área de geotecnia da mineradora.

Em nota, a Vale disse que o afastamento dos funcionários atende aos interesses das investigações e segue diretriz institucional de "contribuir com todas as autoridades envolvidas na apuração dos fatos relacionados ao rompimento da barragem".

Até o momento, as autoridades contabilizam 193 mortos e 115 desaparecidos. A força-tarefa acusa a Vale de trocar a certificadora da barragem para atestar a estabilidade e contratar empresa certificadora "num contexto que caracterizava evidente conflito de interesses". (FP)

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

SINDICATO DOS DELEGADOS

Recorde: Déficit de policiais civis em SP chega a 40%, diz sindicato

Sem novas contratações e com concursos que não vão repor perdas de imediato, Polícia Civil contabiliza 17 mil profissionais a menos no Estado, afirma entidade

POST APAGADO

Jornal espanhol faz matéria acusada de racista sobre jogador brasileiro

Jornalista do periódico "As" chamou o atacante Igor Paixão, do Feyenoord, de "o descendente de escravos que ameaça o Atleti"

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software