X

Cirminalização

Câmara dos Deputados deve votar terça projeto que iguala aborto a homicídio

Proposta também restringe aborto em casos de estupro, gerando forte reação de especialistas e ativistas dos direitos das mulheres

Monise Souza

Publicado em 10/06/2024 às 11:52

Atualizado em 10/06/2024 às 13:06

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) / Zeca Ribeiro/Agência Câmara

A Câmara dos Deputados se prepara para votar nesta terça-feira (11) o pedido de urgência para o projeto de lei que iguala o aborto após a 22ª semana de gestação com o crime de homicídio. O projeto ainda restringe o aborto mesmo nos casos de estupro.

A proposta prevê a alteração do Código Penal Brasileiro e iguala as penas para abortos realizados após 22 semanas de gestação às penas previstas para homicídio simples. A matéria também determina que em casos de viabilidade fetal, mesmo resultantes de estupro, o aborto não será permitido.

Opinião de advogada sobre o caso

A Gazeta conversou com a advogada Thaynara Gargiulo sobre o assunto, ela afirmou que enquanto o aborto for criminalizado, os direitos das mulheres estarão em risco.

"A equiparação é uma política que reflete uma visão machista e retrógrada da sociedade, onde a liberdade e os direitos reprodutivos e sexuais da mulher não são plenamente reconhecidos. É uma visão contrária aos direitos fundamentais das mulheres à autonomia de seus corpos e a sua própria dignidade." completou Gargiulo.

Urgência no processo

Na última terça-feira (4) o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), decidiu colocar na pauta do plenário a urgência do projeto.

O projeto foi protocolado há menos de um mês e teve a urgência incluída na pauta pelo presidente da Câmara após um pedido de deputados contrários ao procedimento. Caso a urgência seja aprovada, dispensa a tramitação do texto e permite a votação diretamente em plenário. 

Proposta fere direitos das mulheres

Segundo Gargiulo, a medida pode ocasionar em mortes de mulheres, principalmente das classes mais pobres. “Essa medida contribuirá para o crescimento dos abortos clandestinos e inseguros, continuando a provocar mortes de mulheres, especialmente entre as populações mais pobres”, afirmou a advogada.

Inicialmente, a frente evangélica pediu para que fosse pautado o projeto de lei que proíbe o aborto no Brasil em qualquer caso, o chamado Estatuto do Nascituro. Mas, diante da resistência que a matéria poderia enfrentar, optou pelo projeto em questão.

Para Gargiulo, apesar de possuirmos um estado laico, a religião tem influenciado nas decisões do Estado.

"A PEC em tramite é justamente reflexo da influência, além de machista, religiosa, e embora o estado seja laico, o poder legislativo está tomando de valores religiosos", diz. 

Ainda de cordo com a advogada, ao tratarmos o assunto como um crime, as discussões serão tratadas sempre voltadas para punir a mulher, que não é a única responsável por uma gravidez indesejada. Se for resultado de um estupro então, ela não tem responsabilidade alguma.

"As discussões sobre o assunto sempre serão voltadas ao aumento da penalização de mulher, deixando de lado a saúde pública e a liberdade corporal".

Quando questionamos o papel do judiciário para a defesa dos direitos das mulheres, ela afirmou que a criminalização integral do aborto é um retrocesso aos direitos fundamentais. "Embora conceda ao feto o “direito e viver”, retira da mulher esse direito, principalmente nos casos de grave risco de vida da gestante", completou Gargiulo.

Atualmente, de acordo com o artigo 28 do Código Penal, o aborto é crime, exceto em três casos: gravidez decorrente de estupro, risco à vida da mulher e anencefalia do feto.

O que prevê a PEC

A Proposta de Emenda Constitucional 181/15 é uma proposta que interfere na interpretação de todas as leis e portarias que atualmente autorizam serviços de aborto legal no Brasil. O texto coloca em risco as formas de aborto atualmente permitidas no Código Penal Brasileiro, inclusive nos casos de estupro.

A proposta inicial do projeto era apenas ampliar o prazo da licença maternidade para mães de bebês prematuros. No entanto, a proposta estabelece a aplicação de pena de homicídio simples nos casos de aborto em fetos com mais de 22 semanas, após esse período a prática será criminalizada.

Veja o que altera:

  • Caso a gestante provoque o aborto em si ou consinta que outra pessoa realize o procedimento. A pena passa de prisão de 1 a 3 anos para 6 a 20 anos;
  • Caso o aborto provocado por terceiro com ou sem o seu consentimento, a pena para quem realizar o procedimento com o consentimento da gestante passa de 1 a 4 anos para 6 a 20 anos, mesma pena para quem realizar o aborto sem consentimentos, hoje fixada de 3 a 10 anos.

A proposta também altera o artigo que estabelece casos em que o aborto é legal para restringir a prática em casos de gestação resultantes de estupro.

O projeto é assinado por 32 deputados, incluindo o vice-presidente da Casa, Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), e o presidente da Bancada Evangélica, Eli Borges (PL-TO).

*Texto sob supervisão de Lara Madeira

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

ESTUPRO DE VULNERÁVEL

Pai é preso acusado de abusar de filha internada em UTI no ABC paulista

Câmeras escondidas flagraram o crime; vítima permanece em hospital

Feminicídio

Corpo de atendente executada dentro de loja é sepultado; suspeito segue foragido

Corpo de Aline Aparecida de Moura, de 34 anos, foi sepultado nesta quinta-feira (13), em Sorocaba; principal suspeito do crime, ex-namorado da vítima, está foragido

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter