Publicidade

X
INVESTIGAÇÃO

Juíza que proibiu aborto em criança estuprada é investigada

A Corregedoria-Geral da Justiça abriu um inquérito para apurar a conduta da juíza Joana Ribeiro Zimmer

Publicidade

Divulgação Pixabay

A Corregedoria-Geral da Justiça abriu um inquérito para apurar a conduta de uma juíza de Santa Catarina que proibiu a realização de um aborto em uma menina de 11 anos vítima de estupro. A magistrada determinou que a criança fosse enviada para um abrigo para evitar que a gestação fosse interrompida.

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina confirmou nesta segunda-feira (20/06) que iniciou um processo na esfera administrativa para apurar a atuação da juíza Joana Ribeiro Zimmer e “o devido exame dos fatos” do caso, que corre em segredo de justiça por envolver uma menor de idade.

O caso foi revelado pelo site The Intercept Brasil. A família da vítima descobriu a gravidez quando notou que a barriga da menina começou a crescer e que ela sofria de repetidas náuseas. Ela tinha 10 anos e já estava com 22 semanas de gestação. Ela foi estuprada no início deste ano, e a suspeita é que a violência ocorria dentro de casa.

A mãe então levou a criança ao Hospital Universitário Polydoro Ernani de São Thiago, em Florianópolis, para fazer o aborto, conforme permite a legislação brasileira.

A interrupção da gravidez é permitida no Brasil em caso de estupro, risco à vida da gestante ou anencefalia do feto. A lei não impõe um limite de tempo gestacional para a realização do procedimento. Em caso de violência sexual, basta o relato da vítima à equipe médica.

O hospital, porém, se recusou a fazer o procedimento devido a protocolos hospitalares internos, que só permitem o aborto até 20 semanas de gestação, e exigiu uma autorização judicial.

O caso acabou nas mãos da juíza Joana Ribeiro Zimmer, que acatou um pedido da promotora Mirela Dutra Alberton para que a criança fosse colocada num abrigo supostamente para protegê-la do agressor.

No vídeo da audiência, realizada no início de maio, enviado ao Intercept, a juíza pergunta à menina se ela gostaria de ver o bebê nascer e de dar nome à criança.

Após a vítima afirmar que não deseja isso, Zimmer prossegue perguntando por quanto tempo a menina aceitaria manter a gravidez para que o feto tivesse mais chances de sobreviver. “Tu suportaria ficar mais um pouquinho com o bebê”, pressiona a juíza, até a menina dizer que sim. Durante vários momentos, Zimmer pergunta se a menina teria interesse em ficar com o bebê.

A promotora Mirela Dutra Alberton também pressionou a menina a manter a gestação.

A conduta questionável da juíza se repetiu na audiência com a mãe da menina. Zimmer pressionou também a mãe a obrigar a criança a manter a gravidez. “A senhora consegue entender que isso é uma crueldade imensa [com o feto]?”, perguntou.

“Mais crueldade do que ela está passando?”, respondeu a mãe à juíza, que ignorou o sofrimento da menina e da mãe.

Zimmer insistiu para a mãe permitir que a gestação da menina seja levada adiante e disse que a “tristeza” que as duas passam pode ser “a felicidade de um casal”.

“É uma felicidade porque eles não estão passando pelo que eu estou passando”, respondeu a mãe em meio a lágrimas, insistindo para poder levar a filha para casa. A mãe ressaltou ainda que a menina não tem noção do que está acontecendo. “Vocês fazem esse monte de pergunta, mas ela nem sabe o que responder.”

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

SEU BOLSO

As 10 cidades onde é mais caro abastecer com gasolina em São Paulo

Levantamento realizado pela ANP considera preços coletados na semana passada, entre os dias 19 e 25

PREVISÃO DO TEMPO

Semana começa com sensação de frio em SP, mas sol volta aos poucos na Capital

Próximos dias serão marcados por madrugadas frias, porém com temperaturas em gradativa elevação durante as tardes

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software