X

EXPECTATIVA

Líderes debatem tramitação final da Reforma Tributária

Lira convoca deputados para decidir se o texto apresentado pelo Senado será fatiado ou não 

Letícia Maria, de Brasília

Publicado em 28/11/2023 às 16:32

Atualizado em 28/11/2023 às 16:52

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O presidente da Câmara colocará a decisão na mão dos líderes / Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), convocou, nesta terça-feira (28), reunião da bancada de líderes. O assunto: fatiar ou não o texto da reforma tributária entregue pelo Senado Federal no início de novembro. Até o fechamento desta reportagem o resultado não havia sido divulgado.

A reforma tributária é de interesse estratégico para a equipe econômica do governo do presidente Luiz Lula da Silva (PT). Para o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, o ideal é que a medida fiscal seja votada até o fim do ano. O relator, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), é contra. 

Leia Também

• Haddad gastou 17 minutos ao telefone para tentar reverter voto na Reforma Tributária

“Isso enseja uma segurança jurídica […] Teríamos assuntos perdidos, que não estão sendo tratados agora na reforma. Isso ninguém quer: nem a Câmara, nem o Senado e nem o Brasil dos últimos cinquenta anos”, registrou Aguinaldo.

Mesmo sendo uma forma de acelerar a tramitação, o relator acredita que, para que a reforma tributária seja promulgada no Congresso Nacional ainda em 2023, a maioria dos líderes vai optar pelo fatiamento.

Entendendo o caso

Depois que os líderes das bancadas concluírem a análise do texto aprovado pelo Senado, eles vão decidir se fatiam a tramitação, ou não. Muitos deles acreditam que esta é a única forma para que a reforma passe a valer a partir de 2024. Isso porque o projeto é uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), e é obrigatório que ele tenha a aprovação das duas Casas.

O fatiamento é uma decisão estratégica de aceleração da votação, geralmente utilizada em casos de urgência. Desta forma, os trechos convergentes do texto são promulgados, e os divergentes se transformam em um novo relatório que seguirá tramitação em paralelo.

Outras pautas também estão sendo discutidas nesta reunião. Uma delas é o calendário de votações da reforma. A outra é se realmente será necessário, e qual a possibilidade técnica da supressão de trechos do relatório aprovado pelo Senado. O relator também descarta a supressão.

Já a equipe econômica do governo se diz favorável ao fatiamento, pois precisa que algum texto seja promulgado neste ano.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Não perca essa oportunidade

Cidade no interior de SP encerra inscrições de novo concurso nesta sexta

Prefeitura Municipal de Jahu têm processo seletivo têm salários que chegam a R$ 6.008,73

DROGAS NO LITORAL

Depósito com uma tonelada de cocaína é encontrado no Guarujá

Cães farejadores encontraram as drogas em meio a sucatas

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter