Publicidade

X

EXPECTATIVA

Líderes debatem tramitação final da Reforma Tributária

Lira convoca deputados para decidir se o texto apresentado pelo Senado será fatiado ou não 

Letícia Maria, de Brasília

Publicado em 28/11/2023 às 16:32

Atualizado em 28/11/2023 às 16:52

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O presidente da Câmara colocará a decisão na mão dos líderes / Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), convocou, nesta terça-feira (28), reunião da bancada de líderes. O assunto: fatiar ou não o texto da reforma tributária entregue pelo Senado Federal no início de novembro. Até o fechamento desta reportagem o resultado não havia sido divulgado.

A reforma tributária é de interesse estratégico para a equipe econômica do governo do presidente Luiz Lula da Silva (PT). Para o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, o ideal é que a medida fiscal seja votada até o fim do ano. O relator, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), é contra. 

Leia Também

• Haddad gastou 17 minutos ao telefone para tentar reverter voto na Reforma Tributária

“Isso enseja uma segurança jurídica […] Teríamos assuntos perdidos, que não estão sendo tratados agora na reforma. Isso ninguém quer: nem a Câmara, nem o Senado e nem o Brasil dos últimos cinquenta anos”, registrou Aguinaldo.

Mesmo sendo uma forma de acelerar a tramitação, o relator acredita que, para que a reforma tributária seja promulgada no Congresso Nacional ainda em 2023, a maioria dos líderes vai optar pelo fatiamento.

Entendendo o caso

Depois que os líderes das bancadas concluírem a análise do texto aprovado pelo Senado, eles vão decidir se fatiam a tramitação, ou não. Muitos deles acreditam que esta é a única forma para que a reforma passe a valer a partir de 2024. Isso porque o projeto é uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), e é obrigatório que ele tenha a aprovação das duas Casas.

O fatiamento é uma decisão estratégica de aceleração da votação, geralmente utilizada em casos de urgência. Desta forma, os trechos convergentes do texto são promulgados, e os divergentes se transformam em um novo relatório que seguirá tramitação em paralelo.

Outras pautas também estão sendo discutidas nesta reunião. Uma delas é o calendário de votações da reforma. A outra é se realmente será necessário, e qual a possibilidade técnica da supressão de trechos do relatório aprovado pelo Senado. O relator também descarta a supressão.

Já a equipe econômica do governo se diz favorável ao fatiamento, pois precisa que algum texto seja promulgado neste ano.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

CULTURA E LAZER

Capital tem atividades voltadas às mulheres e oficinas culturais; confira agenda

Atividades e oficinas culturais voltadas às mulheres marcam fim de semana em São Paulo; confira atrações

Assassinato

VÍDEO: Policial aposentado é morto por criminoso na zona leste de SP

Criminoso estaciona e mata policial aposentado; arma do ex-agente é roubada

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter