Publicidade

X

JULGAMENTO NO SUL

Mãe e madrasta de criança torturada e assassinada serão julgadas nesta quinta-feira

Caso Miguel aconteceu em julho de 2021 e foi denunciado em agosto do mesmo ano

Lucas Souza

Publicado em 02/04/2024 às 16:30

Atualizado em 02/04/2024 às 18:49

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Mãe e madrasta de criança torturada e assassinada serão julgadas nesta quinta-feira / Reprodução/RBS Tv

Yasmin Vaz dos Santos Rodrigues, mãe de Miguel dos Santos Rodrigues, e sua companheira Bruna Natthiele Porto da Rosa serão julgadas por torturar e assassinar a criança nesta quinta-feira (4) em Tramandaí, no Rio Grande do Sul.

Siga as notícias da Gazeta de S.Paulo no Google Notícias

Ambas foram denunciadas em agosto de 2021 por espancar e matar o menino de sete anos em Imbé, no Rio Grande do Sul. As rés seguem presas e respondem por homicídio triplamente qualificado, tortura e ocultação de cadáver.

A sessão, presidida pelo juiz Gilberto Pinto Fontoura, começará às 9h no Salão do Júri e será transmitida em tempo real no canal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) no YouTube. As informações são do Ministério Público do Rio Grande do Sul.

Faça parte do grupo da Gazeta no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Entenda o caso da morte do prqueno Miguel 

Miguel morreu por agressão física, insuficiência alimentar, uso de medicamento inadequado e falta de atendimento à saúde entre os dias 26 e 29 de julho de 2021. Seu corpo foi arremessado nas águas do Rio Tramandaí, segundo denúncia do promotor de Justiça André Tarouco.

Antes de sua morte, entre 17 de abril e 25 de julho, Miguel foi submetido a intenso sofrimento físico e mental por buscar carinho, cuidado e atenção. Segundo a denúncia, a criança foi trancada e imobilizada com correntes e cadeados em um guarda-roupa.

Em um espaço pequeno, Miguel foi obrigado a conviver com suas fezes, que eram feitas dentro do guarda-roupa. Ele era alimentado quando as mulheres quisessem e era obrigado a escrever frases depreciativas como “eu sou um idiota” e “eu sou ruim” em um caderno.

*Texto sob supervisão de Matheus Herbert

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

EM MARÇO

Venda de carros 100% elétricos teve aumento de 973% em relação ao ano passado

Os híbridos venderam 7.411 exemplares em março, com aumento de 9,5% em relação a fevereiro deste ano e de 37,4% em comparação a março de 2023

ECONOMIA

O que é o arcabouço fiscal e por que ele é tão importante?

Sistema veio em substituição ao regime de teto de gastos, vigente desde o governo Temer até o fim de 2022

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter