Publicidade

X
Brasil

Nostalgia: Loja Mesbla, ícone dos anos 80 e 90, está de volta

Instalada no país em 1912, a Mesbla viveu seu auge nos anos 1980, quando chegou a ter 180 pontos de venda e mais de 28 mil funcionários em todo o Brasil

Publicidade

Arquivo Pessoal/Mesbla Blogspot

A loja de departamento Mesbla, que anunciou seu retorno apenas nas vendas onlines, marcou época no Brasil durante mais de oito décadas, principalmente entre 1970 e 1990. Falida há 23 anos, a empresa pode ser desconhecida do público mais jovem, mas chegou a ser líder do varejo. 

Instalada no país em 1912, a Mesbla viveu seu auge nos anos 1980, quando chegou a ter 180 pontos de venda e mais de 28 mil funcionários em todo o Brasil, diz Denis Medina, economista professor da FAC-SP (Faculdade de Comércio de São Paulo), ligada à Associação Comercial de São Paulo.

A Mesbla se destacava por vender praticamente de tudo, de móveis a roupas, de utensílios domésticos a perucas. "Ela tinha um leque de vendas muito, muito amplo mesmo", afirma. 

Mas não eram apenas os produtos que faziam os olhos do consumidor brilharem, havia também a estrutura dos estabelecimentos. O coordenador do CEV-FGV (Centro de Excelência em Varejo da Fundação Getúlio Vargas), Maurício Morgado, recorda que a Mesbla tinha espaços imponentes, como megalojas que comportavam bem a gama de ofertas.

"A Mesbla tinha lojas muito bem montadas, decoradas e com bom atendimento. Com certeza, inspirava outros varejistas", declara. 

Parte do sucesso da empresa é explicado pelas campanhas publicitárias, principalmente na TV. A Mesbla reuniu alguns dos principais artistas da televisão brasileira nas décadas de 1980 e 1990, como o ator Diogo Vilela e as atrizes Andréa Beltrão e Regina Casé.

Já no final da década de 1990, o empresário Ricardo Mansur comprou a Mesbla e sua concorrente direta, o Mappin, que também faliu. Mas não deu certo. 

Após acumular dívidas de R$ 1 bilhão, Mansur deixou o comando das companhias. Naquela época, os diretores de ambas buscavam um empréstimo de R$ 102 milhões para pagar salários, fornecedores, aluguéis e comprar mercadorias. Tentativas de vendê-las a empresários estrangeiros não foram bem-sucedidas.

A Mesbla, sob o comando de Mansur, decretou falência em setembro de 1999. O estoque de produtos foi colocado à venda com preços de promoção. À época, uma reportagem do Jornal do Commercio informou que o mercado refletiu que a estratégia de capitalizar a empresa fazendo caixa e aumentar seu valor de mercado se mostrou um erro. 

De acordo com os analistas, a Mesbla continuava sem foco, tentou atrair consumidores de classes mais baixas e desvalorizou o atendimento ao consumidor.

A empresa ensaiou um retorno em 2009, com a criação de uma loja online, mas não foi para frente. A ambição de um retorno, agora restrito ao e-commerce, se concretizou em maio deste ano.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

DISNEY, NETFLIX E OUTRAS MAIS

EUA: Após revogação do aborto, empresas irão custear viagens para funcionárias

Gigantes do entretenimento como a Netflix, Disney e Paramount já estão se posicionando a favor de funcionárias que pretendam realizar o procedimento

ELEIÇÕES 2022

Haddad e Alckmin participam de inauguração de agroindústria em Andradina

Em primeira agenda conjunta, petista e pessebista ressaltaram a importância da aliança construída entre os partidos

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software