Publicidade

X

Brasil

Onda de Calor: Ar-condicionado tem maior inflação em três anos com seca no Amazonas

De acordo com o IBGE, a carestia em outubro pode ser associada a pelo menos dois fatores: a recente onda de calor que atingiu regiões como o Sudeste e a seca histórica no Amazonas.

Leoardo Vieceli/Folhapress

Publicado em 10/11/2023 às 15:50

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

É a maior inflação do produto em três anos, desde outubro de 2020 (10,54%) / Airam Dato-on/Pexels

Os preços do ar-condicionado subiram 6,09% no Brasil em outubro, segundo dados do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) divulgados nesta sexta-feira (10) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

É a maior inflação do produto em três anos, desde outubro de 2020 (10,54%). Os preços haviam avançado 1,43% em setembro de 2023.

De acordo com o IBGE, a carestia em outubro pode ser associada a pelo menos dois fatores: a recente onda de calor que atingiu regiões como o Sudeste e a seca histórica no Amazonas.

Na teoria, as altas temperaturas tendem a elevar a procura pelo aparelho. Com a demanda maior, há uma pressão sobre os preços.

Faça parte do grupo da Gazeta no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Já a seca no Amazonas tem prejudicado o transporte de mercadorias pelos rios do estado. Os reflexos da estiagem foram sentidos por indústrias que produzem eletrodomésticos e outros equipamentos na Zona Franca de Manaus.

"Temperaturas mais quentes podem acabar influenciando os preços do ar-condicionado. Além disso, tem a questão da seca do Amazonas, que está dificultando a produção de diversas indústrias", disse André Almeida, gerente da pesquisa do IPCA.

ALTA ACIMA DE 10% EM SP
A inflação do ar-condicionado é calculada para 14 capitais e regiões metropolitanas. Em outubro, os preços do aparelho subiram em todos os locais.

São Paulo registrou a maior alta: 10,69%. Campo Grande (9,63%) e Brasília (9,32%) vieram em seguida. Fortaleza teve a menor inflação do produto no mês passado (1,80%).

Como mostrou a Folha de S.Paulo, o calor que vem sendo registrado no país provoca impactos em diversas atividades da economia, que começam a colocar em prática medidas de contingência já existentes e planejam novas adaptações para um cenário de aquecimento prolongado.

O aumento brusco da temperatura altera o rendimento de motores de aviões, eleva os custos com ar-condicionado em escritórios, prejudica setores agrícolas e represa vendas de parte do varejo.
 

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Mundo

Pesquisa afirma que Trump tem 48% das intenções de voto nos EUA

Os resultados mostram que 48% dos entrevistados afirmaram que votariam em Trump

Esportes

Agora é oficial! Palmeiras recebe documento que garante título mundial

A entidade internacional indicou o título da Copa Rio conquistado em 1951 como a primeira versão do tradicional torneio de clubes

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter