Publicidade

X
ÍNDICE RECORDE

País registra recorde de desemprego, diz IBGE

De acordo com a Pnad Contínua, 14,1 milhões de pessoas estão desempregadas no Brasil

Publicidade

Aumento na taxa de desemprego retrata a flexibilização das medidas de isolamento, diz pesquisadora / / Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A taxa de desemprego chegou a 14,6% no terceiro trimestre de 2020, de acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (27).

Esta é a maior taxa registrada na série histórica da pesquisa, que foi iniciada em 2012. O índice aponta que o Brasil tem 14,1 milhões de pessoas sem trabalho. De um trimestre para o outro, mais 1,3 milhão de brasileiros ficaram desempregados.

As maiores taxas foram registradas na Bahia (20,7%), em Sergipe (20,3%) e em Alagoas (20,0%). A menor foi registrada em Santa Catarina (6,6%). Em questão de região, o desemprego atingiu o recorde de 17,9% no Nordeste, a maior taxa entre as regiões. O Sul teve a menor com 9,4%.

De acordo com a analista da pesquisa, Adriana Beringuy, o aumento na taxa de desemprego retrata a flexibilização das medidas de isolamento social para controle da pandemia do coronavírus. "Houve maior pressão sobre o mercado de trabalho no terceiro trimestre. Em abril e maio, as medidas de distanciamento social ainda influenciavam a decisão das pessoas de não procurarem trabalho. Com o relaxamento dessas medidas, começamos a perceber um maior contingente de pessoas em busca de uma ocupação", diz.

Houve queda de 1,1% no contingente de ocupados em comparação com o segundo trimestre, totalizando 82,5 milhões de pessoas, menor patamar da série. A partir disso, o nível de ocupação foi de 47,1%.

Para a analista, todas as categorias tiveram perda no total de ocupação. A taxa de informalidade foi de 38,4% no trimestre encerrado em setembro, número equivalente a 31,6 milhões de pessoas sem carteira assinada, sem CNPJ ou trabalhadores sem remuneração. No trimestre anterior, esse porcentual foi 36,9%.

Resultado positivo

As atividades de construção e agricultura registraram um crescimento da população ocupada no terceiro trimestre. No setor de construção, o crescimento foi de 7,5% (399 mil pessoas).

No segmento de agricultura, o aumento foi de 3,8% (304 mil trabalhadores).

"A atividade da construção foi a que mais aumentou no período. Isso porque pedreiros ou outros trabalhadores por conta própria, que tinham se afastado do mercado em função do distanciamento social, retornaram no terceiro trimestre com a reabertura das atividades e a demanda por pequenas obras, como reformas de imóveis", ressalta Adriana Beringuy.

"A agricultura, de modo geral, tem ritmo diferente das demais atividades. Além disso, o setor sofreu menos os efeitos da pandemia, pois é uma atividade que se situa no campo, onde o impacto do distanciamento social foi menor do que na cidade", completou.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

LUTO

Ray Liotta, ator de 'Os Bons Companheiros', morre aos 67 anos

Artista é considerado um dos maiores atores de sua época

Cultura

Após Masp voltar atrás, curadoras aceitam retomar mostra com fotos do MST

Museu voltou atrás na semana passada após enfrentar acusações de censura por ter vetado um conjunto de fotos de André Vilaron, Edgar Kanaykõ Xakriabá e João Zinclar

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software