X

ECONOMIA

PIB cresce 1% no primeiro trimestre no Brasil

O desempenho ficou um pouco abaixo das expectativas do mercado financeiro

LEONARDO VIECELI E DOUGLAS GAVRAS, da FOLHAPRESS

Publicado em 02/06/2022 às 09:49

Atualizado em 02/06/2022 às 09:52

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Produção de veículos na fábrica da Volkswagen em São Bernardo do Campo (SP) / Divulgação/Volkswagen

O PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro cresceu 1% no primeiro trimestre de 2022, frente aos três meses imediatamente anteriores, apontam dados divulgados nesta quinta-feira (2) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).


O desempenho ficou um pouco abaixo das expectativas do mercado financeiro. Na mediana, analistas consultados pela agência Bloomberg projetavam alta de 1,2%.


O PIB busca medir a produção de bens e serviços no país a cada trimestre. O avanço do indicador é usualmente chamado de crescimento econômico.


O avanço de 1% é o terceiro resultado positivo em sequência, depois do recuo no segundo trimestre de 2021 (-0,2%).
Com o desempenho, o PIB ficou 1,6% acima do patamar do quarto trimestre de 2019, período pré-pandemia, e 1,7% abaixo do ponto mais alto da atividade econômica do país, registrado no primeiro trimestre de 2014.


O resultado desta quinta veio em um contexto de derrubada de restrições a atividades após os estragos causados pela pandemia.


Parte de setores como o de serviços, o principal do PIB, havia sido paralisada nas fases mais críticas da crise sanitária. Com o processo de reabertura da economia, houve espaço para melhora ao longo dos últimos meses.


Foi o setor de serviços que puxou o PIB para cima no primeiro trimestre, segundo o IBGE. A alta do segmento foi de 1% em relação ao final de 2021.


"Dentro dos serviços, o maior crescimento foi de outros serviços, que tiveram alta de 2,2% no trimestre e comportam muitas atividades dos serviços prestados às famílias, como alojamento e alimentação. Muitas dessas atividades são presenciais e tiveram demanda reprimida durante a pandemia", disse a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.


A indústria, por sua vez, teve relativa estabilidade, com pequena variação de 0,1%. Já a agropecuária recuou 0,9%.
"O cenário do primeiro trimestre é de uma economia saindo da pandemia. Os serviços tiveram uma recuperação mais vigorosa", avalia o economista-chefe da consultoria MB Associados, Sergio Vale.


O economista Luca Mercadante, da Rio Bravo Investimentos, vai na mesma linha.


"O processo de retomada da economia tem gerado efeitos mais longos do que se esperava inicialmente. Esse é o ponto principal", diz.


Às vésperas da corrida eleitoral, o governo federal apostou em medidas como o Auxílio Brasil, em uma tentativa de estimular o consumo em um período de escalada da inflação, lembram analistas.


A base de comparação fragilizada do PIB é mais um dos fatores apontados para explicar o desempenho do indicador no primeiro trimestre.


Por fim, o avanço da ocupação no mercado de trabalho, mesmo com a renda média em queda, também é citado como um possível estímulo para a economia na largada do ano.


PROJEÇÃO DE PERDA DE FÔLEGO


Analistas, contudo, alertam para uma possível desaceleração do PIB ao longo de 2022, especialmente no segundo semestre.


Até lá, projeta-se efeito maior dos juros altos e da inflação persistente sobre o consumo, motor do crescimento econômico.


Incertezas da corrida eleitoral brasileira e do cenário externo, em meio à Guerra da Ucrânia e à mudança na política monetária dos Estados Unidos, surgem como ameaças adicionais.


"Daqui para frente, a expectativa é um pouco mais negativa. O efeito dos juros altos no Brasil tem uma defasagem para aparecer. Deve atrapalhar no segundo semestre, e as expectativas para inflação pioraram", analisa Mercadante.


O boletim Focus mais recente, de 29 de abril, mostrou uma projeção do mercado financeiro de alta de 0,7% para o PIB no acumulado de 2022, segundo o BC (Banco Central), responsável pela publicação.


Há instituições financeiras que preveem um avanço mais forte, próximo ou acima de 1%. No começo do ano, as estimativas eram menores, ao redor de 0,3% na mediana.


Essas projeções melhoraram com os sinais de uma atividade mais aquecida ao longo do primeiro trimestre.


Porém, analistas ponderam que a reação do PIB, um indicador de produção de bens e serviços, nem sempre é sentida pela população na mesma medida. É o caso atual, conforme Vale, da consultoria MB Associados.


"A população está sofrendo com inflação e desemprego ainda alto. Assim, fica difícil perceber uma vida melhor. O desemprego caiu, mas segue em dois dígitos, assim como a inflação", afirma.


"A recuperação mesmo vai ocorrer quando tivermos crescimento maior do PIB e inflação e desemprego menores."


CÁLCULO DO PIB


Produtos, serviços, aluguéis, serviços públicos, impostos e até contrabando. Esses são alguns dos componentes do PIB, calculado pelo IBGE, de acordo com padrões internacionais. O objetivo é medir a produção de bens e serviços no país em determinado período.


O indicador mostra quem produz, quem consome e a renda gerada a partir dessa produção. O crescimento do PIB (descontada a inflação) é usualmente chamado de crescimento econômico.


O levantamento é apresentado pela ótica da oferta (o que é produzido) e da demanda (como esses produtos e serviços são consumidos). O PIB trimestral é divulgado cerca de 60 dias após o fim do período em questão.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Estado

Capital paulista tem vencedores da Lotofácil; veja apostas

Sorteio aconteceu no último sábado (21)

Estado

Sistema Anchieta-Imigrantes tem tranquilidade; entenda

Informação foi compartilhada pela Ecovias

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter