Publicidade

X
SANTA CATARINA

Polícia vai comparar DNA para confirmar estupro de criança de 11 anos

A Polícia Civil vai analisar o material genético de um adolescente de 13 anos para confirmar se o jovem realmente foi autor do estupro

Publicidade

Divulgação Pixabay

A Polícia Civil vai analisar o material genético de um adolescente de 13 anos para confirmar se o jovem realmente foi autor do estupro contra a menina de 11 anos, de Santa Catarina, que realizou a interrupção da gravidez na noite de quarta-feira (22), em Florianópolis (SC), depois de ter o direito ao aborto legal dificultado pela Justiça catarinense.

O adolescente teria estuprado e engravidado a criança. Caso seja confirmado, ele poderá ser submetido a medidas socioeducativas.

Leia Também

• Juíza que proibiu aborto em criança estuprada é investigada

A delegada Patrícia Zimmermann, coordenadora da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente de Santa Catarina, disse à reportagem que a polícia não trabalha com hipóteses de sexo consentido.

"Nós trabalhamos com a hipótese de violência presumida, que é quando a vítima é menor de 14 anos, e que é sim estupro. A lei estabelece que nesses casos é preciso analisar conduta e maturidade. Uma menina de 10 anos não tem maturidade para consentir tal ato", disse a delegada.

A Polícia Civil vai analisar o material genético coletado do feto para comparar com "as pessoas de convívio com a criança", segundo a delegada, informando que, apesar de as investigações serem conclusivas sobre a autoria do ato que engravidou a criança, a possibilidade do exame de DNA "não deixará dúvidas".

"Por mais que ele tenha assumido ter praticado o ato, a possibilidade do exame é uma ferramenta que temos para ter esta confirmação", afirmou Zimmermann. A confirmação do exame de DNA pode levar mais de 30 dias.

O procedimento foi realizado no mesmo hospital que negou a realização do aborto legal quando a menina chegou relatando estupro. Ela estava com 22 semanas e dois dias de gravidez e, segundo a equipe médica de plantão, o procedimento só poderia ser realizado após as 20 semanas por força de decisão judicial.

Após ficar 40 dias afastada da família e impedida de realizar o aborto, a menina conseguiu interromper a gravidez com 29 semanas de gestação.

O adolescente investigado vai aguardar a conclusão das investigações antes de qualquer sanção, informou a delegada.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

COPA DO MUNDO 2022

Fifa vai antecipar início da Copa do Mundo; veja novas datas

A decisão já foi tomada pela organização internamente e deve ser oficializada nos próximos dias

LEGISLATIVO

Mongaguá fica perto de fixar data para reajuste anual dos vencimentos dos servidores

Legislativo já aprovou, de forma unânime, o projeto de lei 72/2022, de autoria do prefeito municipal

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software