X

SEGURANÇA

Projeto torna obrigatório 'botão do pânico' em celulares para combater casos de violência

Autor do projeto, o deputado Aureo Ribeiro (Solidariedade-RJ) explica que a ideia é obrigar os fabricantes de aparelhos de telefonia móvel a implementarem dispositivos de pânico com acionamento fácil

Da Reportagem

Publicado em 28/01/2023 às 16:10

Atualizado em 28/01/2023 às 16:13

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O projeto será analisado, em caráter conclusivo, pelas comissões de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; e de Constituição e Justiça e de Cidadania / Divulgação

Uma matéria que tramita atualmente na Câmara dos Deputados, em Brasília, almeja criar mais um recurso para combater os problemas de segurança pública.

"Leia esta matéria também no Diário do Litoral".

O Projeto de Lei 2922/22 determina a instalação de um 'botão de pânico' em todos os telefones celulares homologados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Pelo texto, o dispositivo servirá para proteger pessoas em casos de ameaça ou agressão, permitindo o acionamento imediato das autoridades policiais e o compartilhamento, em tempo real, da localização do aparelho, mesmo com a tela bloqueada.

Autor do projeto, o deputado Aureo Ribeiro (Solidariedade-RJ) explica que a ideia é obrigar os fabricantes de aparelhos de telefonia móvel a implementarem dispositivos de pânico com acionamento fácil, para ser utilizado sempre que alguém estiver em situação de risco.

“Diversos crimes poderiam ser evitados se houvesse uma forma mais simples e ágil de entrar em contato com autoridades ou familiares mais próximos, principalmente quando a pessoa se sinta ameaçada”, observa o autor.

Ele lembra que medidas semelhantes já foram adotadas em outros países, como a Índia, que adotou o botão do pânico para prevenir agressões sexuais contra mulheres, e em diversos estados do Brasil.

“Em São Paulo, na comarca de Limeira, são usados dispositivos eletrônicos por meio dos quais a polícia pode localizar o conflito e acompanhar o diálogo, durante o trajeto, com gravação da conversa, cujo áudio ainda pode ser usado como prova judicial”, cita o autor.

O texto altera a Lei Geral de Telecomunicações e prevê que a comunicação com autoridades e serviços de emergência seja gratuita nesses casos.

Tramitação

O projeto será analisado, em caráter conclusivo, pelas comissões de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Transporte Público

Metrô apresenta problemas e dificulta manhã do paulistano

Problema teria ocorrido por volta das 4h40 na estação Tiradentes linha 1-Azul; passageiros recorreram às linhas de ônibus para chegar ao destino

Confusão generalizada

VÍDEO: GCMs são agredidos durante ação em Osasco

O estabelecimento foi lacrado por descumprir uma lei municipal, que determina o horário de funcionamento de bares até a meia-noite

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter