Publicidade

X

Brasil

Temperatura média atinge recorde no Brasil pelo quinto mês seguido

As temperaturas ficaram acima da média histórica em julho, agosto, setembro, outubro e novembro deste ano

Da Reportagem

Publicado em 07/12/2023 às 21:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

A onda de calor se mantém sobre a região central do paisagismo / Amol Mande - Pixels

Nos últimos meses, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) vem realizando uma análise meteorológica específica para o Brasil, utilizando dados de temperatura média do ar das estações meteorológicas do Instituto espalhadas por todo o território nacional.

Faça parte do grupo da Gazeta no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

De acordo com o levantamento, as temperaturas ficaram acima da média histórica nos meses de julho a novembro, como mostra a tabela abaixo:

Dentre os cinco meses consecutivos mais quentes deste ano, setembro apresentou o maior desvio (diferença entre o valor registrado e a média histórica) desde 1961, com 1,6°C, seguido do mês de novembro, com 1,5°C acima da climatologia de 1991/2020 (média histórica). 

A principal responsável por esse aumento da temperatura foi a onda de calor observada no mês de novembro, que foi semelhante a ocorrida em setembro, porém essa última foi mais abrangente e persistiu por doze dias seguidos de temperaturas acima da média. Mais detalhes AQUI.

Em 2023, o calor extremo observado em grande parte do País foi reflexo dos impactos do fenômeno El Niño (aquecimento acima da média das águas do Oceano Pacífico Equatorial), que tende a favorecer o aumento da temperatura em várias regiões do planeta. 

Além da elevação da temperatura dos oceanos, outros fatores têm contribuído para a ocorrência de eventos cada vez mais extremos, como o aumento da temperatura global da superfície terrestre por conta do aumento das emissões de gases do efeito estufa.

De acordo com a versão provisória do Estado Global do Clima 2023, publicado no final de novembro pela a Organização Meteorológica Mundial (OMM), até outubro deste ano, a temperatura média da superfície global ficou 1,4°C acima da média de 1850/1900. Com este valor, o ano de 2023 é considerado o mais quente em 174 anos de medições meteorológicas, superando os anos de 2016, com 1,29°C acima da média, e 2020, com 1,27°C acima da média.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Educação

Taboão da Serra inicia entrega do uniforme escolar

Expectativa é que até o dia 15 de março todos os estudantes tenham recebido o kit completo

 Jogos Olímpicos

SP oferece modalidades de esportes olímpicos; confira

Atividades são gratuitas e podem ser praticadas como recreação ou em nível competitivo, sem restrição de idade

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter