X

Porte de maconha

Votação sobre porte de maconha no STF segue aberta; veja como votou cada ministro

Foram cinco votos favoráveis pela descriminalização, sendo Toffoli o quarto voto contrário

Yasmin Gomes

Publicado em 20/06/2024 às 19:40

Atualizado em 21/06/2024 às 09:03

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

O caso é julgado desde 2015 na Suprema Corte / Ahmed Zayan/Unsplash

Nesta quinta-feira (20), o ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF) votou para manter válido o artigo da Lei de Drogas sobre porte de drogas para consumo pessoal. O ministro, no entanto, entende que a lei já não aplica sanção penal, apenas medidas socioeducativas.

O voto do ministro travou o debate sobre a descriminalização do porte de maconha para uso pessoal no Brasil, que deve voltar a acontecer na próxima terça-feira.

No momento, há cinco votos favoráveis pela descriminalização, sendo Toffoli o quarto voto contrário. O caso é julgado desde 2015 na Suprema Corte.

O que está sendo debatido

O ministro Luis Roberto Barroso, presidente do STF, explicou no início da sessão os pontos a serem debatidos.

O ato de consumo de drogas, mesmo que para uso pessoal, permanecerá sendo ilícito mesmo que descriminalizado. Ou seja, ainda será contra a lei, independente de qual seja a decisão do Supremo, mas não poderá ser chamado de crime, se os ministros decidirem descriminalizar.

Os dois pontos analisados na sessão desta quinta foram:

  • Se o porte vai ser considerado um ilícito administrativo ou penal;
  • Se será possível definir uma quantidade de droga para diferenciar usuário de traficante e qual será a quantidade.

Como votaram os ministros antes de Toffoli

  • Gilmar Mendes (relator) - Considerou que não é crime o porte para consumo pessoal, desde que seja entre 25 e 60 gramas ou forem seis plantas fêmeas.
     
  • Edson FachinDefendeu que a liberação do porte fique restrita à maconha, mantendo as regras atuais de proibição para as demais drogas. Devem ser mantidas como crime a produção e venda da maconha.
     
  • Rosa Weber - Votou na linha do relator e concluiu que a criminalização da conduta é desproporcional.
     
  • Luís Roberto Barroso - Para o ministro, ficaria liberado o porte para consumo pessoal quem estiver com até 25 gramas de maconha ou que cultivar até seis plantas cannabis fêmeas para consumo próprio. E que a descriminalização deve se restringir à maconha.
     
  • Alexandre de MoraesO ministro propôs que o Supremo fixe o entendimento de que não é crime a conduta de "adquirir, guardar ter em deposito, transportar ou trazer consigo para consumo pessoal" a maconha; será considerado usuário que tiver de 25 a 60 gramas de maconha ou seis plantas fêmeas.

Votos contrários

  • Cristiano Zanin - Votou para não descriminalizar o porte, mesmo que para uso pessoal.
     
  • André MendonçaVotou pela validade da Lei de Drogas, que prevê o porte de maconha para consumo próprio como crime. Entendeu, no entanto, que é preciso diferenciar a quantidade que define que é usuário e traficante.
     
  • Nunes Marques Assim como Mendonça, concluiu que a lei deve ser mantida em vigor e que é necessário diferenciar usuário de traficante.

Agora faltam os votos de Luiz Fux e Cármen Lúcia, que se manifestará na próxima quarta-feira (25).

*Texto sob supervisão de Diogo Mesquita

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

DISPUTA NA GRANDE SP

Pré-candidato do PL em Guarulhos anuncia vice e fala em 'momento histórico'

'Um momento histórico e de mudanças aqui para a nossa cidade', afirmou Sanches ao anunciar a formação da chapa

Mercedes me Connect

Mercedes apresenta Classe E 300 Exclusive: experiência digital e sistema híbrido

O carro tem ainda sistema Keyless-Go para partida do motor sem chave e abertura do porta-malas e teto solar panorâmico

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter