últimas notícias

Porto Feliz

Como a água e a lama estão contaminadas, a limpeza precisa ser feita com muito cuidado; limpeza foi iniciada na última sexta-feira
Como a água e a lama estão contaminadas, a limpeza precisa ser feita com muito cuidado; limpeza foi iniciada na última sexta-feira
Foto: Reprodução Tv Tem

Depois de chuva e enchente, rio Tietê deixa toneladas de lixo em Salto

SUJEIRA. Até quinta-feira, ao menos 8 toneladas de material - garrafas PET, brinquedos, latas e restos de móveis - tinham sido recolhidos

Depois da enchente que causou danos e levou à interdição parcial dos pontos turísticos da cidade, agora é o lixo deixado pelo Rio Tietê que afeta a rotina dos moradores de Salto, no interior de São Paulo. Até a noite de quinta-feira, 13, ao menos 8 toneladas de material - garrafas PET, brinquedos, latas, isopor e restos de móveis - tinham sido retiradas das margens do rio. O Parque das Lavras, atração turística que concentra a maior parte dos resíduos, permanece interditado devido ao risco de contaminação.

O lixo assentou também sobre as rochas do Complexo da Cachoeira, na região central da cidade. Devido à dificuldade de acesso a essas áreas, o secretário do Meio Ambiente, Ângelo Piva, acredita que será necessária pelo menos uma semana de trabalho para concluir a limpeza. Segundo ele, o lixo provém principalmente da capital e de cidades da região metropolitana de São Paulo, após ser carreado para o leito do rio pelas inundações que atingiram a região na última segunda-feira (10). O material coletado está sendo desinfetado e encaminhado para o aterro sanitário da cidade.

Como a água e a lama estão contaminadas, a limpeza precisa ser feita com muito cuidado. O médico infectologista Danilo Duarte explicou ao "G1" que até o mais simples contato com a água contaminada pode causar doenças, já que o lixo e a água são tóxicos.

"A enchente leva a possibilidade de contrair uma série de doenças infecciosas, como leptospirose, hepatite A febre tifoide e gastroenterites virais. Então, é importante evitar o contato com a água de enchente", diz o médico.
(GSP)

Tops da Gazeta