últimas notícias

Porto Feliz

Mecânico Samuel Rodrigues da Silva ficou desaparecido vários dias antes de corpo ser encontrado
Mecânico Samuel Rodrigues da Silva ficou desaparecido vários dias antes de corpo ser encontrado
Foto: Reprodução Facebook

Mecânico tentou intervir em briga de casal antes de sumir

ENCONTRADO MORTO. Polícia trabalha com duas linhas de investigação para apurar assassinato em Jundiaí

O mecânico Samuel Rodrigues da Silva, de 33 anos, encontrado morto em Jundiaí, teria tentado intervir numa briga de casal pouco antes de seu desaparecimento. As informações são do "G1" e o caso segue em investigação.

O corpo foi encontrado no dia 21 de março à margem da rodovia João Cereser. A mãe de Samuel, Eunice Alves, foi ao Instituto Médico Legal e havia feito o reconhecimento da vítima pelas mãos, mas ele foi dado como inconclusivo pela polícia. Na segunda-feira (23), estava marcada a coleta de DNA, mas as digitais possibilitaram a identificação.

Segundo testemunhas, o mecânico teria se envolvido numa discussão com um homem e uma mulher que brigavam entre si. Pouco depois disso, não foi mais visto. Uma das linhas de investigação da polícia é tentar identificar o casal.

A polícia não descarta, no entanto, que o crime possa ter envolvimento com drogas. Segundo a mãe de Samuel, seu filho era dependente químico e já teria sido ameaçado de morte em algumas
ocasiões.

RECONHECIMENTO.

A Polícia Civil identificou na segunda-feira (23) como sendo do mecânico o corpo encontrado na região do Parque da Cidade. O cadáver estava em avançado estado de decomposição e precisou ter a identidade confirmada pelas digitais.

Antes disso, a família de Samuel esteve no Instituto Médico Legal e fez a identificação do corpo através de sua mão, mas a polícia havia considerado o reconhecimento inconclusivo.

Apesar do corpo estar bastante deteriorado, a perícia conseguiu identificar perfurações causadas por objeto perfurante, possivelmente uma faca. Segundo a polícia, informações que possam levar ao esclarecimento do crime podem ser passadas anonimamente pelo telefone 181. (GSP)

Tops da Gazeta