Publicidade

X
VIOLAÇÃO DO DIREITOS DAS MULHERES

Fachin ordena que governo explique guia antiaborto e direito das mulheres

No Brasil, o aborto é permitido em casos de estupro, risco para a mãe e anencefalia do feto

Publicidade

Ministro Edson Fachin, presidente do TSE / Antônio Augusto/ SECOM/

O ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que parece haver no Brasil "padrão de violação sistemática do direito das mulheres" em relação à realização de aborto nos casos previstos em lei.

A afirmação está na decisão em que o magistrado dá cinco dias para o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o Ministério da Saúde explicarem cartilha da pasta que ignora a legislação sobre o tema e diz que todo aborto é crime com alguns excludentes de ilicitude.

No Brasil, o aborto é permitido em casos de estupro, risco para a mãe e anencefalia do feto -este último foi garantido por uma decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) em 2012.

A cartilha do Ministério da Saúde afirma que "não existe aborto legal" no Brasil. A polêmica sobre o assunto ganhou força após o caso da juíza Joana Zimmer, que induziu uma criança de 11 anos que foi estuprada a desistir da interrupção da gravidez.

"O que existe é o aborto com excludente de ilicitude. Todo aborto é um crime, mas quando comprovadas as situações de excludente de ilicitude após investigação policial, ele deixa de ser punido, como a interrupção da gravidez por risco materno", diz o documento oficial.

Quatro entidades ligadas à saúde apresentaram uma ação ao Supremo em que pedem que o texto seja suspenso e para impedir que o governo ou decisões judiciais restrinjam o aborto legal no país.

Fachin foi sorteado relator da ação. Ele pediu esclarecimentos ao Executivo, o que é praxe, mas aproveitou para antecipar sua visão sobre o tema.

"O quadro narrado pelas requerentes é bastante grave e parece apontar para um padrão de violação sistemática do direito das mulheres. Se nem mesmo as ações que são autorizadas por lei contam com o apoio e acolhimento por parte do Estado, é difícil imaginar que a longa história de desigualdade entre homens e mulheres possa um dia ser mitigada", disse.

A cartilha também coloca como limite para o procedimento a idade gestacional de 22 semanas, o que não tem amparo legal. O manual do ministério tem como "editor geral" o secretário nacional de Atenção Primária, Raphael Câmara.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

INCLUSÃO

Taboão da Serra realiza eleição para Conselho da Pessoa com Deficiência

No total serão eleitos 20 membros, sendo dez titulares e dez suplentes

EXCLUSIVO

Ricardo Mellão: 'Senado não pode ser uma aposentadoria de luxo'

Pré-candidato ao Senado pelo Novo diz que Márcio França e Edson Aparecido tratam cargo como 'prêmio de consolação'; leia entrevista completa

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software