últimas notícias
Ilhabela e Santos foram as cidades escolhidas para o lançamento do Plano Nacional
Ilhabela e Santos foram as cidades escolhidas para o lançamento do Plano Nacional
Foto: Ronald Kraag/PMI

Plano nacional contra lixo no mar é lançado em Ilhabela

MEIO AMBIENTE. O plano convoca toda a sociedade a participar da solução da problemática do lixo marinho

O prefeito de Ilhabela, Márcio Tenório, recepcionará nesta sexta-feira o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que fará lançamento oficial do Plano de Ação Nacional de Combate ao Lixo no Mar, a partir das 14h, na Praça das Bandeiras, na Vila.

O plano convoca toda a sociedade a participar da solução da problemática do lixo marinho, considerando que o êxito das ações planejadas se dá pelo engajamento de todos os setores envolvidos nessa temática. A iniciativa que destaca Pesquisa e a Educação para a redução e erradicação do fluxo de resíduos no ambiente marinho abre o programa "Agenda de Qualidade Ambiental Urbana", que abrange uma estrutura de implementação com seis grandes temas identificados pelo ministério como prioritários a serem trabalhados, na busca da melhoria da qualidade de vida da população brasileira.

Ilhabela e Santos foram as cidades escolhidas para o lançamento do Plano Nacional, no Dia Mundial da Água. Na parte da manhã, o ministro estará em Santos para entrega de uma escultura de tubarão-baleia, do artista Siron Franco, com 15 metros de comprimento, que receberá lixo proveniente do mar. Já Ilhabela será palco do lançamento oficial do Plano de Ação Nacional, e na ocasião, além da assinatura da iniciativa, o ministro fará uma coleta de água com a Cetesb, simbolizando a intenção de viabilizar parceria entre o município e o órgão do Estado.

O prefeito ressaltou estar honrado em receber o ministro Ricardo Salles e por Ilhabela ter sido escolhida como uma das duas cidades sedes para o lançamento. "Ilhabela já é referência turística no cenário nacional e está se preparando para alcançar o reconhecimento como o melhor destino de natureza do Brasil até 2020", afirmou. (GSP)

Tops da Gazeta