Publicidade

X
Litoral Norte

Rica e paradisíaca Ilhabela enfrenta crise sanitária

Todas as 19 praias que ficam no canal da ilha estavam com bandeira vermelha

Publicidade

Na virada do ano faltou água e as ruas travaram a ponto de os carros da balsa não conseguirem desembarcar na cidade / /reprodução dersa

O dia 29 de novembro de 2018 foi histórico para Ilhabela: a prefeitura depositou
R$ 55 milhões no fundo soberano da cidade, abastecido com royalties de petróleo e destinado às futuras gerações. Bastaram dois meses para aparecer a face oposta a essa da Ilhabela rica e paradisíaca: todas as 19 praias que ficam no canal da ilha estavam com bandeira vermelha na última semana, um indicativo de que a quantidade de coliformes fecais atingira um limite que expõe o banhista a doenças.

O mau cheiro e as manchas de cor bege no mar não eram o único problema da ilha. Na virada do ano faltou água e as ruas travaram a ponto de os carros da balsa não conseguirem desembarcar. Cerca de 120 mil pessoas entraram na ilha entre 26 de dezembro e 2 de janeiro.

Ilhabela é a cidade mais rica do Brasil no quesito valor do orçamento por morador. O orçamento em 2018 foi de R$ 27.422 por habitante (em São Paulo, foi R$ 4.448 por morador). É tanto dinheiro que a prefeitura não conseguiu gastar R$ 400 milhões em 2018. Isso é resultado da exploração do pré-sal. Só de royalties da Petrobras, a cidade recebeu R$ 751,7 milhões, ou 80% do orçamento.

Não há consenso sobre as causas da poluição. A prefeitura e a Cetesb culpam ocupações irregulares e chuvas que carregam esgoto para o mar. Gilda Nunes, presidente do Conselho Municipal do Meio Ambiente, diz que a chuva tem influência, mas a causa principal é a falta de tratamento do esgoto que é despejado por um emissário a 900 metros da praia de Itaquanduba. "Emissário é uma ótima tecnologia para mar aberto, mas tem problemas em canal de dois quilômetros de largura como o nosso", afirma. A outra causa da bandeira vermelha, diz, é o tratamento que a Sabesp dá ao esgoto da ilha na única estação construída com recursos públicos.

A estação que bombeia o esgoto no canal faz o nível mais baixo de tratamento: só retira sólidos, como fraldas e absorventes, passa o material orgânico por peneiras e aplica cloro para desinfetá-lo.

A única praia que permaneceu sem coliformes fecais na primeira semana do ano foi a que faz o tratamento mais complexo de esgoto, chamado de terciário, com uma estação bancada pelos moradores da praia do
Pinto. (FP)

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

PCC

Marcola nega liderar PCC e diz estar 'marcado pra morrer'

Criminoso contou em audiência que foi taxado como comandante da facçao após matar os antigos líderes da organização

Eleições presidenciais

Bolsonaro vai lançar campanha no lugar em que levou facada em 2018

Ato foi divulgado pelo deputado estadual Bruno Engler e confirmado por um dos integrantes da campanha do presidente

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software