últimas notícias

Capital

Dependendo do bairro onde o consumidor faz suas compras, a redução do preço pode ter sido maior do que a média
Dependendo do bairro onde o consumidor faz suas compras, a redução do preço pode ter sido maior do que a média
Foto: Jez Timms/Unsplash

Após alta, preço da carne começa a cair em açougues de SP

Em média, os preços recuaram 1,78% entre 29 de novembro e 7 de janeiro, de acordo com coletas de preços realizadas pela 'Folha de S.Paulo' em dez estabelecimentos da capital

Após a disparada nos preços da carne bovina no final do ano passado, os consumidores já encontram o produto mais barato nos açougues da cidade de São Paulo.

Em média, os preços recuaram 1,78% entre 29 de novembro e 7 de janeiro, de acordo com coletas de preços realizadas pela reportagem da Folha de S.Paulo em dez estabelecimentos distribuídos entre as cinco regiões da capital.

O preço médio do quilo do corte de alcatra teve a maior queda (-9,94%), passando de R$ 41,16 para R$ 37,07 no intervalo entre as consultas.

Sete dos dez cortes pesquisados tiveram queda: acém (-9,25%), alcatra (-9,94%), contrafilé (-8,54%), coxão mole (-2,33%), fraldinha (-1,29%), lagarto (-6,84%) e músculo (-6,13%).

A comparação de valores apontou, porém, aumentos no cupim (23,74%), no filé mignon (1,52%) e na maminha (1,26%).

Dependendo do bairro onde o consumidor faz suas compras, a redução do preço pode ter sido maior do que a média.

No Bona's Carnes, localizado na Chácara Mafalda (zona leste), o contrafilé caiu de R$ 47 para R$ 39,98 (-14,94%) nos primeiros dias do ano. "Quando a diminuição do valor chega para gente, repassamos para os consumidores assim que possível", disse um dos gerentes.

A maminha vendida no Boi Pioneiro, na Cidade Ademar (zona sul), caiu de R$ 49,99 para R$ 32,99 o quilo (-34%) no último mês. Antes vendido por R$ 26,99, o quilo do acém custava R$ 19,99 (-25,94%).

O economista André Braz, do Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas), avalia que o pior momento da inflação da carne já passou. A tendência é de estabilização.

"Agora, a devolução daquele aumento acumulado em dezembro vai demorar um pouquinho para acontecer. A gente precisa de uma redução maior no volume de exportação", considera o especialista.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento informou que houve redução nos preços da arroba do boi e que essa queda "deverá ser sentida nas próximas semanas [pelos consumidores], com a renovação de estoques por parte dos supermercados".

Aumento da carne A carne bovina subiu no fim de 2019, acumulando uma alta anual de 32,4%. O avanço do produto colaborou para que a inflação oficial tenha fechado ano passado com elevação de 4,31%.

O aumento da carne é explicado por motivos que favoreciam a exportação, como a maior demanda vinda da China e dólar a preço recorde.

De acordo com a Abrafrigo (Associação Brasileira de Frigoríficos), o valor de carnes e derivados exportados durante outubro e novembro de 2019 foi 39% e 37% maior, respectivamente, em relação aos mesmos meses de 2018.

A arroba do boi gordo negociado na terça-feira (7) é de R$ 196, número acima da média de junho de 2019 (R$ 149,95) e abaixo do que registrado em novembro (R$ 201,16) e dezembro (R$ 211,97). Os dados são do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada) do Esalq/USP.

Comentários

Tops da Gazeta