últimas notícias
O registro do caso foi feito no 78º DP nos Jardins, que não divulgou detalhes sobre o ocorrido
O registro do caso foi feito no 78º DP nos Jardins, que não divulgou detalhes sobre o ocorrido
Foto: REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Arrastão na Paulista foi promovido por cerca de 100 pessoas

A suspeita da polícia é que o grupo, formado por homens e mulheres, tenha combinado o arrastão pela internet

A polícia de São Paulo investiga um arrastão que teria ocorrido no fim da tarde do último domingo (19), na avenida Paulista para furto de celulares. O registro do caso foi feito no 78º Distrito Policial, nos Jardins, que não divulgou detalhes sobre o ocorrido.

Segundo informações do Hora 1, da "Globo", dezenas de aparelhos foram furtados por um grupo de cerca de 100 pessoas. Quatro foram detidas - três jovens e um adolescente de 13 anos.

A suspeita é que o grupo, formado por homens e mulheres, tenha combinado o arrastão pela internet. De acordo com testemunhas, na avenida, que fica fechada para veículos aos domingos, os criminosos furtaram celulares das mãos, bolsas e bolsos de pedestres e se organizaram para passar os aparelhos de mão em mão, em uma espécie de corrente.

Até o início da tarde desta segunda-feira (20), 45 vítimas procuraram o 78º DP para registrar boletim de ocorrência, mas a maior parte preferiu fazer isso pela internet após receber orientação.

Imagens de câmeras de segurança instaladas na avenida poderão ajudar a polícia a identificar os criminosos.

Nas redes sociais há alguns relatos do arrastão em um horário em que a Paulista estava cheia de pessoas aproveitando os momentos de lazer já tradicionais na avenida.

"A gente sai do Rio de Janeiro para presenciar arrastão na Paulista", disse uma das testemunhas. "Vi pelo menos oito roubos a celular na Paulista hoje, todos em frente ao Masp, onde estava muito lotado", relatou outra pessoa.

Cenas de vítimas correndo atrás dos ladrões de celulares também foram relatadas.

"Estava descendo para o mirante do Masp, era aproximadamente 18h. Estavam começando a abrir as ruas quando as pessoas vieram em disparada, gritando", contou T.C., uma das testemunhas da correria provocada pela onda de furtos.

Tops da Gazeta