últimas notícias

Capital

Sérgio Ricardo Antiqueira, presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo
Sérgio Ricardo Antiqueira, presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo
Foto: Divulgação/Sindsep

Assistentes sociais podem paralisar trabalhos na Capital

Trabalhadores reclamam de faltas de EPIs em quantidade e qualidade suficientes, diz sindicato

De acordo com o Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo (Sindsep), os servidores da assistência social da cidade de São Paulo podem paralisar os trabalhos já a partir da semana que vem caso não recebam as EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) em quantidade e qualidade consideradas suficientes pela prefeitura da Capital, gestão Bruno Covas (PSDB).

Segundo o Sindsep, os trabalhadores se queixam de aglomerações de pessoas nas unidades da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social desde o início da quarentena imposta pelo governo do Estado, de gente desesperada por ajuda e por informações de como obter o auxílio de R$ 600 do governo federal. Os servidores reclamam de EPIs em número insuficiente – e alguns com prazo de validade vencido – e poucos profissionais para manter a higiene constante dos ambientes.

Caso o problema não seja resolvido de forma rápida, “os trabalhadores suspenderão imediatamente suas atividades laborais até que a situação de risco seja resolvida”, diz o presidente do Sindsep, Sérgio Ricardo Antiqueira.

PREFEITURA

Em nota, a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) informa que, desde o dia 20 de março, distribuiu caixas de luvas e embalagens de álcool em gel nas Supervisões de Assistência Social para redistribuição em seus territórios.

“A compra do material dos funcionários das Organizações da Sociedade Civil (OSC) é realizada diretamente pelas entidades, com os repasses feitos pela pasta. A SMADS irá reforçar com as OSCs a importância da aquisição dos produtos o mais urgente. A secretaria informa que os veículos de SEAS (Serviço Especializado de Abordagem Social) são higienizados após cada deslocamento e mantidos com as janelas abertas, devendo-se distância entre os passageiros transportados”, diz a secretaria.

*Texto atualizado às 16:30 para inclusão da nota da prefeitura

Comentários

Tops da Gazeta