últimas notícias
Marcelo Castro, que foi desfiliado do partido Novo após fala sobre André do Rap
Marcelo Castro, que foi desfiliado do partido Novo após fala sobre André do Rap
Foto: Reprodução/YouTube

Novo desfilia candidato a vereador em SP após fala sobre André do Rap

Marcelo Castro gerou indignação ao dizer que decisão do STF foi acertada; após repercussão, candidato disse não saber que André do Rap é acusado de ser chefe do PCC

O candidato a vereador em São Paulo Marcelo Castro teve a sua filiação suspensa pelo partido Novo nesta quarta-feira após apoiar pelo Twitter a decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), de determinar a soltura de André do Rap, acusado de ser um dos chefes do PCC (Primeiro Comando da Capital).

“O tal do 'André do Rap' tava preso temporariamente há um ano. A lei é clara: prisão preventiva por mais de 90 dias tem que ser fundamentada. Não foi. Acerta MAM. Ademais, o cara foi preso por tráfico, não por assassinato ou latrocínio. Tráfico nem devia ser crime", escreveu o candidato, gerando uma onda de críticas à sua posição.

Leia mais:

Maioria do STF vota pela prisão de André do Rap

Após a desfiliação, Castro disse entender a decisão do Novo, justificou que não sabia que André do Rap é considerado um dos maiores traficantes do País, mas achava ser um pequeno contraventor, e detalhou sua afirmação inicial. “Não defendi o PCC nem nada nesse sentido — por óbvio. Penso que a guerra às drogas falhou miseravelmente, portanto, penso que a descriminalização com conscientização é o melhor caminho. Defendo o estado democrático de direito”, disse, pela mesma rede social.

“O grande erro do meu tuíte foi opinar sem ler o caso de André do Rap. Fosse um pequeno contraventor, não haveria problema algum no que escrevi. Defendo a descriminalização justamente para que criminosos perigosos saiam do mercado. O PCC só existe por causa do estado”, completou.

Por fim, lamentou a repercussão negativa do tuíte e disse que quem mais se beneficia da guerra às drogas são as facções criminosas.

Comentários

Tops da Gazeta