últimas notícias

Moradores da Vila Andrade reclamam da onda de assaltos

De acordo com moradores, há sensação de insegurança nos bairros de Vila Andrade e Vila Suzana Da Reportagem De São Paulo

No fim de outubro, um arrastão em um condomínio de alto padrão na Vila Andrade, na zona sul de São Paulo, levou terror a dezenas de famílias. Uma quadrilha de 15 homens invadiu o edifício com fuzis, metralhadoras e revólveres e assaltou boa parte dos apartamentos. Os moradores do bairro têm reclamado de um pretenso aumento da criminalidade na região.

Os bairros Vila Andrade e Vila Suzana estão ao longo da avenida Giovani Gronchi e próximos da Marginal Tietê, da favela de Paraisópolis, do parque Burle Marx e do bairro do Morumbi.

A autônoma A.B., de 33 anos, que prefere não se identificar por questão de segurança, conta que foi vítima de um assalto há 20 dias quando chegava em casa na rua dom Salomão Ferraz à bordo de um carro de uma empresa de aplicativo. Ao chegar ao destino, um assaltante desceu de uma moto, rendeu ela e o motorista e roubou celulares e dinheiro. Depois, saiu em disparada.

“Eu fiquei muito nervosa, sem saber o que fazer. Sempre ouvimos falar de criminalidade por aqui, mas quando acontece com a gente é muito diferente”, diz a mulher, que pensa em se mudar para outro bairro.

Já o taxista Elias Barbosa Cruz tem um ponto um pouco mais acima da Giovani Gronchi, no bairro de Vila Suzana. Ele explica que a sensação é de que há um aumento grande de criminalidade na região.
“Tem assalto todo santo dia. Na minha visão a violência aumentou muito. Todo dia alguém é assaltado na rua David Gebara, em geral pela manhã”, diz.

Nota da SSP

A sensação dos moradores, porém, não é confirmada pelas estatísticas de criminalidade do bairro, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP). A SSP afirma, em nota, que houve redução de roubos de pessoas e veículos ao se comparar 2017 e 2018.

“A atuação das polícias Civil e Militar na região reduziu em 15,52% os casos de roubo em geral e 31,17% os roubos de veículo, apenas em setembro deste ano, comparado com o mesmo mês de 2017. Os dados são referentes ao 89º e 37º DP que cobrem o bairro. O trabalho preventivo e ostensivo da Polícia Militar também resultou na prisão e apreensão de 169 pessoas e em 124 veículos recuperados na área”.


*Por Bruno Irala

Tops da Gazeta