Publicidade

X
SEGUNDA DOSE

SP usará vacina da Pfizer como segunda dose em quem recebeu a Janssen

Prefeitura diz que não há registro da Ômicron na capital

Publicidade

Vacina da Pfizer / /Reprodução/Felton Davis

A prefeitura de São Paulo informou que vai usar a vacina da Pfizer para a segunda dose naqueles que foram vacinadas com o imunizante da Janssen – cerca de 300 mil pessoas na capital paulista. A medida passa a valer nesta terça-feira (30).

Segundo a prefeitura, a intercambialidade respeita documento técnico do governo de São Paulo, que permite a utilização do imunizante da Pfizer em caso de indisponibilidade de doses da Janssen.

Ficou dispensada também a obrigatoriedade da apresentação de comprovante de endereço para receber a vacina. “Com o alto índice de imunização para primeira e segunda doses na capital e para fortalecer a vacinação nacional, qualquer pessoa pode se apresentar para receber o imunizante, independentemente do local de residência”, informa a nota. 

VARIANTE ÔMICRON

A prefeitura reforçou que não há registro de pacientes com a nova variante Ômicron, mas informou ter determinado os hospitais de referência para recebimento de possíveis casos: o Hospital Municipal Tide Setúbal e o Hospital Geral Guaianazes.

Todas as amostras recebidas pelo Instituto Butantan, pela Universidade de São Paulo (USP) e pelo Instituto Adolfo Lutz, no momento, apontam a variante Delta. A coleta, agora, passa a incluir pacientes sintomáticos vindos de países africanos, que terão os dados recolhidos e receberão orientação para cumprir quarentena de 14 dias, de forma a serem monitorados pelas autoridades de saúde.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Política

Presidente ataca TSE e diz que não irá perder as eleições 'para narrativas'

Declaração foi feita no Encontro Nacional do Agro, evento que teve tom de campanha e discurso de apoiadores de Bolsonaro

Lei de diretrizes orçamentárias

Bolsonaro sanciona LDO de 2023 com vetos e mantem uso das emendas de relator

Verba, que permite que congressistas mais influentes possam abastecer seus redutos eleitorais, deve ficar em R$ 19,4 bilhões

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software