X

INVESTIGAÇÃO

O veredito de Daniel Alves e o combate contra a violência sexual

Desde dezembro do ano passado, a sociedade brasileira tem acompanhado o caso envolvendo Daniel Alves, famoso jogador de futebol brasileiro

Cris Monteiro

Publicado em 27/02/2024 às 19:43

Atualizado em 08/03/2024 às 19:01

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Dias atrás a justiça espanhola condenou o atleta a quatro anos e seis meses de prisão por estupro, após acusação de agressão sexual contra uma mulher em uma boate em Barcelona / Lucas Figueiredo/ CBF

Desde dezembro do ano passado, a sociedade brasileira tem acompanhado o caso envolvendo Daniel Alves, famoso jogador de futebol brasileiro. Dias atrás a justiça espanhola condenou o atleta a quatro anos e seis meses de prisão por estupro, após acusação de agressão sexual contra uma mulher em uma boate em Barcelona. Este episódio não apenas chocou fãs e seguidores, mas também trouxe à tona discussões importantes sobre a violência sexual, a impunidade dos agressores e as diferenças nas respostas judiciais entre países.

A legislação espanhola desempenhou um papel crucial nessa condenação. Nos últimos sete anos, Barcelona implementou uma série de iniciativas para combater a violência sexual, incluindo um protocolo específico para o treinamento de funcionários de boates e estabelecimentos noturnos. Esse treinamento abrange procedimentos para responder a denúncias de abuso sexual, desde o isolamento da vítima do agressor, comunicação com suporte policial e médico, até a utilização de câmeras de segurança para a coleta de evidências. Essas ações fazem parte do protocolo “No Callem”, estabelecido em 2018, visando criar um ambiente seguro para as vítimas e agilizar o processo de identificação e punição dos suspeitos. A iniciativa comunica com a população, e em especial com os frequentadores de ambientes de lazer, a importância do consentimento explícito em todas as relações. No caso do Daniel Alves, a adoção dessas medidas foi fundamental para garantir que a vítima fosse ouvida e as provas fossem colhidas. 

No Brasil, é notório o desafio enfrentado pelas vítimas de estupro em buscar justiça. Fatores como o medo de descredibilização, a demora em denunciar resultando na perda de provas, o fato de espaços de lazer serem cenários comuns para esses crimes, e a consequente falta de apoio às vítimas, contribuem significativamente para a dificuldade em alcançar condenações efetivas. Essa falta de apoio manifesta-se na prática comum das vítimas optarem por retornar para casa em silêncio, pois percebem que a violência sofrida é frequentemente vista como "comum" e que é improvável receberem o apoio necessário. Essa realidade não apenas desencoraja as denúncias, mas também perpetua um ciclo de impunidade e sofrimento. Só no primeiro semestre de 2023, houve um aumento de 14,9% nos casos, somando um total de 34 mil ocorrências. Esse número equivale a um caso a cada 8 minutos, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Inspirada pela legislação de Barcelona, a Lei 17.951, sancionada em 2023 na cidade de São Paulo, assegura que vítimas de violência sexual tenham acesso imediato a suporte, orientações jurídicas e de saúde em todos os espaços de lazer do município. Esta lei deixa um legado, pois visa não apenas proteger mulheres, mas também homens preocupados com a segurança de suas companheiras, além de beneficiar empresários ao promover espaços mais seguros para todos os públicos.

O caso de Daniel Alves traz uma lição importantíssima: a violência contra mulheres não será tolerada em nenhuma hipótese. A mensagem que fica é que a justiça deve prevalecer, ambientes seguros devem ser promovidos, as leis brasileiras devemos ser certeiras, e o combate à cultura da impunidade deve ser intensificado independente da influência ou status dos envolvidos.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

DO PL

Deputada de SP quer que ladrão de celular fique até 15 anos preso

Segundo Rosana Valle, a proposta é fundamental para inibir a ação de bandidos, além de assegurar que criminosos sejam realmente presos

VIOLÊNCIA CONTRA MULHER

Ataques com ácidos a mulheres: veja casos que repercutiram em São Paulo

O caso de Isabelly, que chocou o Paraná na última semana, infelizmente já teve precedentes no estado

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter