Publicidade

X

ARTIGO

Aos amigos, tudo

A visão da política brasileira por Nilto Tatto

Luiz

Publicado em 13/07/2020 às 11:25

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Nilto Tatto é deputado federal pelo PT por São Paulo / Divulgação/Câmara dos Deputados

O auxílio emergencial idealizado para que os trabalhadores informais, desempregados e outros setores mais vulneráveis da sociedade enfrentem a pandemia tem gerado polêmica. É verdade que muitas famílias tiveram nos 600 reais pagos pela Caixa sua única fonte de renda nos últimos meses, mas também é verdade que milhões de brasileiros e brasileiras que voltaram a viver em situação de extrema pobreza ainda não conseguiram acessar o benefício.

A situação se torna ainda mais grave quando o governo Federal, responsável pela distribuição dos recursos, fecha os olhos para as fraudes que passaram a implodir o sistema. Há registros de que militares da ativa e da reserva receberam o auxílio, bem como profissionais das mais diversas áreas, que não tiveram seus vencimentos comprometidos, mas que se cadastraram e receberam os 600 reais. Muitos dos quais, curiosamente, formam a base de sustentação do bolsonarismo.

Há portanto, uma deturpação na proposta do auxílio, idealizado pelos partidos de oposição, inicialmente no valor de um salário mínimo. Para quem não se lembra, a ideia de socorrer a parcela mais frágil da população foi rejeitada pelo governo Bolsonaro, que apresentou uma contraproposta de apenas 200 reais ao mês. Após muita negociação, chegou-se ao valor atual. Não parece absurdo portanto, supor que o mesmo presidente que não se importa se a população mais pobre está ou não não recebendo, possa estar direcionando estes recursos para afagar seus apoiadores.

O mesmo vale para outro mecanismo de fundamental importância para a preservação dos empregos e da atividade econômica. Foi só na última semana que a Câmara dos Deputados aprovou a Medida Provisória 975/20, que cria um programa emergencial de crédito para pequenas e médias empresas. O texto ainda vai pro Senado. O atraso no socorro aos maiores geradores de emprego e renda do País não é por acaso – o próprio ministro da Economia, Paulo Guedes, defendia que o governo deveria socorrer apenas os grandes e abandonar os pequenos, alinhando seu o discurso com as práticas do presidente.

*Nilto Tatto é deputado federal pelo PT por São Paulo

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

SEGURANÇA PÚBLICA

Sindicato protesta contra Derrite por exclusão da Polícia Civil de operação em SP

Presidente do sindicato dos delegados disse que decisão de Derrite de dar mais protagonismo à PM em detrimento à Polícia Civil pode 'fragilizar a estrutura policial'

Programa Jovem Aprendiz

Em busca do primeiro emprego? Empresa Raízen está com 240 vagas abertas

Interessados em se candidatar devem ter entre 16 e 21 anos; não é necessário ter experiência prévia

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter