Publicidade

X

ARTIGO

Novo imposto à vista

A visão da política brasileira por Nilto Tatto

Luiz

Publicado em 17/08/2020 às 12:50

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Nilto Tatto é deputado federal pelo PT por São Paulo / Divulgação/Câmara dos Deputados

Ao invés de taxar lucros; dividendos; heranças e as grandes fortunas, o governo Bolsonaro segue firme na tentativa de recriar a CPMF, penalizando os mais pobres e aliviando mais uma vez a carga sobre os ricos. Entre as novidades mais polêmicas anunciadas recentemente pelo ministro Paulo Guedes, estão o aumento dos impostos sobre os livros e sobre os serviços, impactando cabeleireiros, motoboys, eletricistas e pedreiros até dentistas e advogados.

Quem não se lembra do deputado com 30 anos de casa, prometendo em campanha que se chegasse ao Planalto não criaria mais impostos? Pois esta será apenas mais uma mentira para a extensa lista do ainda presidente Bolsonaro. Não é que uma reforma tributária não seja necessária, é claro que é, mas ela não pode ser pensada para garantir privilégios e oprimir ainda mais a classe trabalhadora.

Para mudar este quadro, existem muitas alternativas que não passam pela tributação de livros ou pela criação de uma nova CPMF, atitudes tão estúpidas quanto elitistas. Vocês sabiam que embora o IPVA seja um imposto sobre veículos motorizados, as lanchas, helicópteros, jet-skis e jatinhos não são taxados? Enquanto isso, o proprietário de um veículo popular, seja um carro popular ou uma moto paga caro todos os anos.

Outra tributação possível é sobre as grandes fortunas, aquelas acima de R$10 milhões. Este imposto afetaria menos de 0,5% da população brasileira, mas seria capaz de recolher um valor considerável todos os anos. O mesmo vale para a tributação sobre lucros e dividendos no Imposto de Renda. Vocês acreditam que hoje o acionista ou sócio de uma empresa que ganha acima de R$250 mil por mês tem 70% de desconto no Imposto de Renda?

Há ainda uma série de isenções, como para a mineração ou para a cadeia dos agrotóxicos, que poderiam e deveriam ser revistas, mas ao invés disso o governo Bolsonaro prefere, novamente, sacrificar os mais pobres. Uma reforma tributária que não mudar estes paradigmas, não é uma reforma, apenas a manutenção de uma estrutura elitista e perversa.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

SEGURANÇA PÚBLICA

Sindicato protesta contra Derrite por exclusão da Polícia Civil de operação em SP

Presidente do sindicato dos delegados disse que decisão de Derrite de dar mais protagonismo à PM em detrimento à Polícia Civil pode 'fragilizar a estrutura policial'

Programa Jovem Aprendiz

Em busca do primeiro emprego? Empresa Raízen está com 240 vagas abertas

Interessados em se candidatar devem ter entre 16 e 21 anos; não é necessário ter experiência prévia

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter