Publicidade

X

ARTIGO

Pandemia e privilégios

A visão da política brasileira por Nilto Tatto

Luiz

Publicado em 01/06/2020 às 15:22

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

- / Gazeta de S.Paulo

O Coronavírus intensificou o debate sobre as desigualdades sociais no mundo todo, discussão que não pode ser separada da crise climática, especialmente no Brasil. A nossa diversidade ambiental, étnica e cultural é essencial à justiça, à sustentabilidade e no combate à pandemia.

O andar de cima, que mesmo durante a pandemia passeia de jatinho e gasta mais de 5 mil reais de mensalidade na escola dos filhos, é o que menos morre por COVID-19. O contrário acontece com o trabalhador do campo e das cidades, que paga a conta com a própria vida.

Enquanto uma boa parte da população não tem acesso à água potável; ao saneamento; à moradia; à educação; à equipamentos de lazer e cultura; à alimentação e à saúde, 1% dos brasileiros detém 38% das riquezas. Apenas 10% das propriedades rurais concentram mais da metade das terras do país.

Empresas que produzem agrotóxicos e envenenam os nossos alimentos, por exemplo, recebem bilhões em isenções de impostos, enquanto agricultores familiares não têm quase nenhum apoio do Estado. Tudo isso faz do nosso país um dos mais desiguais do mundo, com reflexos na forma como cada um enfrenta a quarentena.

Algumas causas da desigualdade e destruição ambiental são o racismo; o machismo; a concentração de renda e de terras; ausência de política climática efetiva e falta de acesso aos serviços básicos. Mas existem formas de enfrentar tais mazelas, para que ninguém precise viver ao lado do esgoto a céu aberto; perder a casa, a roça ou a vida em desastres ambientais; para tirar o Brasil novamente do mapa da fome; retomar os programas de inclusão social, ambiental e garantir políticas públicas para os mais pobres.

Para isso é preciso debater a transferência de renda e a transição ecológica; taxar grandes fortunas e rever subsídios do estado; reparar a dívida histórica com a população negra; retomar demarcações de terras indígenas e os direitos dos povos tradicionais; combater a concentração de renda, de terras e fazer o andar de cima pagar a conta de seus privilégios, que até hoje foram pautadas na exploração covarde do andar de baixo.

*Nilto Tatto é deputado federal pelo PT por São Paulo

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

SEGURANÇA PÚBLICA

Sindicato protesta contra Derrite por exclusão da Polícia Civil de operação em SP

Presidente do sindicato dos delegados disse que decisão de Derrite de dar mais protagonismo à PM em detrimento à Polícia Civil pode 'fragilizar a estrutura policial'

Programa Jovem Aprendiz

Em busca do primeiro emprego? Empresa Raízen está com 240 vagas abertas

Interessados em se candidatar devem ter entre 16 e 21 anos; não é necessário ter experiência prévia

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter