Publicidade

X

ARTIGO

Uma vez golpista, sempre golpista

A visão da política brasileira por Nilto Tatto

Luiz

Publicado em 27/04/2020 às 12:48

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

- / Gazeta de S.Paulo

A saída do ex-juiz de Curitiba e agora ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, do governo Bolsonaro, é uma tentativa de maquiar aquilo que todos nós sabemos: o grande pacto nacional das elites econômicas, firmado para tirar o Partido dos Trabalhadores da disputa presidencial e interromper o processo, liderado pelo ex-presidente Lula, de construção de uma nação.

Bolsonaro é cria de Moro e não o contrário. Mas é claro que o marreco de Maringá não pariu o atual presidente da República sozinho e tampouco é o grande protagonista dessa história. Para tanto, foi preciso acasalar com parte da grande imprensa; com parlamentares e partidos de centro e de direita; com empresários fascistóides e é claro, com o capital financeiro internacional.

É importante destacar, que golpe que é golpe não dura apenas uma eleição. Tem casamento, lua-de-mel, filhos e divórcio, para depois recomeçar com um novo casamento, esse sim planejado para durar. Acho que não preciso dizer que estamos no capítulo do divórcio, ou para que não reste dúvidas, de uma separação de aparências. Os que hoje se dizem desafetos, ainda comungam dos mesmos ideais.

Basta ver algumas das raras proposituras de Sergio Moro em 14 meses no governo. Diminuir a taxação sobre a indústria do Tabaco (algo que sequer era atribuição do ministério que ocupava) e ampliar o acesso às armas de fogo, pauta reforçada quase que diariamente por Bolsonaro desde sua campanha.

Como Bolsonaro, Moro também tem uma queda pelo autoritarismo e a ilegalidade, pelo menos desde que condenou Lula sem provas e mais recentemente, quando exigiu uma pensão vitalícia ilegal para aceitar o cargo de ministro.

Moro deixa Bolsonaro como se não tivesse sido o artífice do pior governo desde a redemocratização do Brasil. Sai ovacionado pela parte da imprensa que ajudou a eleger Bolsonaro e pela opinião pública manipulada por ela. Bolsonaro não veio para ficar, mas tomou gosto e pode azedar os planos da direita golpista, que só estarão claros à luz das próximas eleições presidenciais. Até lá, viveremos à sombra desse pacto que excluiu o brasileiro das decisões mais importantes sobre a vida no País.

*Nilto Tatto é deputado federal pelo PT por São Paulo

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

SEGURANÇA PÚBLICA

Sindicato protesta contra Derrite por exclusão da Polícia Civil de operação em SP

Presidente do sindicato dos delegados disse que decisão de Derrite de dar mais protagonismo à PM em detrimento à Polícia Civil pode 'fragilizar a estrutura policial'

Programa Jovem Aprendiz

Em busca do primeiro emprego? Empresa Raízen está com 240 vagas abertas

Interessados em se candidatar devem ter entre 16 e 21 anos; não é necessário ter experiência prévia

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter