últimas notícias
Espaço do bicho
Médico Veterinário e especialista em cirurgia plástica e reconstrutiva, Dr. Edgar toda semana aborda um tema diferente no espaço do Bicho.
[email protected]
Onça Pintada
Onça Pintada

Banco de Sêmen de onças do Pantanal

Objetivo do trabalho é para que num futuro breve se tenha um banco de sêmen e de tecidos que poderão servir para clonar indivíduos ou preservar espécies extintas

Transferir genes entre populações de animais isolados por causa da destruição do habitat desta espécie é o objetivo deste trabalho, para que num futuro breve se tenha um banco de sêmen e de tecidos que poderão servir para clonar indivíduos ou preservar espécies extintas.

O maior felino das Américas costuma se deslocar por milhares de quilômetros para se alimentar e reproduzir, e com a destruição do seu habitat, a endogamia (cruzamento de indivíduos parentes entre si) ocorre sendo prejudicial para a preservação da espécie, com risco de desaparecimento com o passar do tempo.

A equipe do Instituto Reprocon liderada pelo seu fundador, Gediendson Ribeiro de Araújo, distribui num raio de 12 Km, armadilhas de laço para captura de onças-pintadas no estado do MS, que é uma forma de captura menos agressiva para a espécie ou outras que podem ser capturadas não intencionalmente. As armadilhas foram desenvolvidas especialmente para esse tipo de pesquisa, impede que o animal fique muito tempo preso, o que reduz estresse e desconforto. São acionadas apenas no período noturno. Um dardo anestésico é disparado e em cinco minutos o animal pode ser manipulado. Passa-se uma sonda na uretra e coleta-se o sêmen que é concentrado.

Essa é a nova técnica usada por estes pesquisadores, que obtiveram um excelente resultado. Foi necessário desenvolver alguns equipamentos portáteis, com baterias e autonomia longa para se poder trabalhar a nível de campo. Ao final, é aplicada uma substância que corta o efeito sedativo, e o animal passa a ser monitorado continuamente por rádio de ondas VHF, depois de receber um exame detalhado de saúde.

Além do sêmen, o sangue colhido vai para o banco de dermoplasma, e servirá para geneticistas indicarem o cruzamento a fim de gerarem filhotes mais resistentes. Este material também servirá para oxigenar a população em cativeiro desta espécie.

Comentários

Tops da Gazeta