últimas notícias
Pauta da semana
Por Nely Rossany
Jair Bolsonaro, sem máscara, durante visita ao Mato Grosso em setembro
Jair Bolsonaro, sem máscara, durante visita ao Mato Grosso em setembro

Triste capítulo da história

O Brasil conseguiu mergulhar em uma crise política em plena pandemia, por incompetência, irresponsabilidade, ineficiência e incoerência de um governo

Vai ser difícil os livros de história explicarem o que aconteceu no Brasil entre 2020 e 2021. O mote principal, claro, seria a pandemia do novo coronavírus. Porém, a forma como o País lidou com isso, com certeza, será objeto de estudo científico.

Falando em ciência, precisa constar em um dos capítulos que a busca de cientistas pelo conhecimento e cura de doenças valeram de pouca coisa. Muitos brasileiros (de vários níveis de escolaridade, diga-se de passagem) duvidaram da eficácia de uma vacina e confiaram em um medicamento sem nenhuma comprovação, nem na teoria e nem na prática.

Muito desse discurso foi validado pela maior autoridade do País, o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). Este, aliás, vai ficar conhecido como o presidente que lidou da pior forma possível com a maior crise sanitária da atualidade. O papel de uma autoridade em momentos como esse é gerenciar a crise e tomar providências para que as consequências sejam menos dramáticas possíveis, porém...

Primeiro, o presidente negou a gravidade de uma pandemia, porque era só uma gripezinha, “ou um resfriadinho”. Depois foi totalmente contra medidas de distanciamento social, e ainda impediu a compra de vacina. Sequer máscara de proteção facial a maior autoridade brasileira incentivou que a população usasse.

Alheio a problemas como falta de insumos para hospitais, o Brasil se viu afogado na segunda onda da doença, e pacientes morreram sem oxigênio em Manaus e no Pará. Não bastassem as vidas que infelizmente não foram salvas por conta da gravidade da doença, ainda perdemos pacientes que poderiam ter tido seus quadros revertidos.

Mesmo se alinharmos o pensamento com o da turma do “não é tudo culpa do presidente”, claro que o governador e deputados têm sua parcela, é de suma importância entender que é do Governo Federal a responsabilidade de lidar com uma crise dessa magnitude e agir em consonância com os estados, fiscalizando a aplicação de recursos públicos e trabalhando para prever situação como a falta de oxigênio em um estado.

Por isso há neste momento há 56 pedidos de impeachment contra o presidente pelo crime de responsabilidade durante a crise do coronavírus. Nenhum país do mundo cogitou tirar o seu presidente em meio a uma crise sanitária sem precedentes. O Brasil conseguiu mergulhar em uma crise política em plena pandemia, por incompetência, irresponsabilidade, ineficiência e incoerência de um governo.

Comentários

Tops da Gazeta