últimas notícias
Bandeira da Portuguesa Santista
Bandeira da Portuguesa Santista
Foto: Douglas Teixeira/Portuguesa Santista

Há 62 anos, Portuguesa Santista fez Brasil se opor ao apartheid

Em 1959, a Briosa se negou a tirar jogadores negros da equipe durante excursão na África do Sul, o que fez JK se posicionar contra apartheid

Em 1959, a equipe de futebol da Portuguesa Santista excursionava pela África. Um dos amistosos seria contra um time da Cidade do Cabo, na África do Sul. Os jogadores estavam no hotel quando um dirigente local trouxe o recado: “Nossa política não permite jogadores negros na partida. Entrem apenas com os brancos”.

A notícia chegou aos ouvidos de Dennis Brutus, presidente da Associação Esportiva da África do Sul, um branco que marcou a vida na luta contra o apartheid. Dennis havia criado a associação três meses antes, com a participação de Nelson Mandela, para combater o racismo no esporte.

De imediato, o ativista enviou um telegrama para o presidente do Brasil, Juscelino Kubistchek: “Soubemos que um time brasileiro, na Cidade do Cabo, está sendo impedido de contar com os seus jogadores negros para um amistoso contra um time local. Pedimos que o Brasil se levante contra o racismo. Queremos que o povo brasileiro mostre que não aceita o racismo”.

JK entrou em contato com os dirigentes da Portuguesa, demonstrando apoio à equipe. Foi a primeira vez que o governo brasileiro se posicionou contra o apartheid sul-africano. O jogo foi cancelado. Em entrevista à TV décadas mais tarde, Brutus, que morreu em 2009, deixou um recado aos brasileiros envolvidos no episódio: “Muito obrigado por ter nos ajudado na nossa luta por Humanidade”.

Comentários

Tops da Gazeta