Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Segunda, 26 Novembro 2018 16:32

Com lesão no olho, capitão do Boca diz que poderia ter morrido em estádio do River

Em entrevista nesta segunda (26), Pablo Pérez contou ter tido encontro dramático com as filhas após deixar o estádio e questionou as condições de segurança encontradas para a final da Libertadores
Perez foi diagnosticado com uma úlcera na córnea do olho esquerdo após ter sido atingido por estilhaços de vidro do ônibus Perez foi diagnosticado com uma úlcera na córnea do olho esquerdo após ter sido atingido por estilhaços de vidro do ônibus Reprodução/Instagram
Por Folhapress
De São Paulo

Vítima de torcedores do River Plate e diagnosticado com uma úlcera na córnea do olho esquerdo, o meio-campista Pablo Pérez desabafou sobre o ataque ao ônibus do Boca Juniors ocorrido no último sábado (24), em avenida próxima ao Monumental de Nuñez.

Em entrevista coletiva concedida nesta segunda-feira (26), o camisa 8 e capitão do Boca adotou um discurso duro. Ele contou ter tido encontro dramático com as filhas após deixar o estádio e questionou as condições de segurança encontradas para a final da Copa Libertadores.

"Foi uma vergonha tudo o que aconteceu. Tenho minha mulher e três filhas. A maior me abraçou quando cheguei em casa e estava chorando. Ninguém pode jogar desta maneira, isso não pode se repetir", reclamou Pérez, que vislumbrou um cenário ainda mais violento caso a partida tivesse sido realizada.

"Não posso ir a um estádio onde não me dão segurança. O que aconteceria se a gente ganhasse? Quem me tiraria dali? Se as pessoas estavam loucas antes de entrarmos, imagine se dessemos a volta olímpica em seu estádio? Me matariam! Não vou jogar em um estádio onde posso morrer", acrescentou.

Pérez foi diagnosticado com o problema clínico no olho após ter sido atingido por estilhaços de vidro do ônibus, que foi destruído por objetos atirados por torcedores do River. A lesão no jogador foi utilizada pelo Boca como uma das justificativas mais importantes para cancelar a decisão também no domingo (25).

O ato violento deixou a decisão da Libertadores em suspenso. Na manhã desta terça-feira (27), dirigentes dos dois clubes e da Conmebol se encontrarão no Paraguai, na sede da entidade, para definir uma nova data para o segundo jogo da final.

No primeiro confronto, disputado em La Bombonera depois de adiamento pelas condições do tempo em Buenos Aires, Boca Juniors e River Plate empataram em 2 a 2. Quem vencer o próximo confronto leva o troféu da Libertadores e a vaga da América do Sul para o Mundial de Clubes.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado