Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Quinta, 07 Fevereiro 2019 13:07

São Paulo tem de reeditar feito de 1993 para evitar vexame na Libertadores

Em 1993, após perder a ida das oitavas-de-final por 2x0 para Newell's Old Boys, o tricolor goleou na volta e garantiu a classificação
O tricolor foi derrotado na noite de ontem (6) para o Talleres, na Argentina O tricolor foi derrotado na noite de ontem (6) para o Talleres, na Argentina Rubens Chiri/saopaulofc.net
Por Folhapress
De São Paulo

Após perder por 2 a 0 para o Talleres em Córdoba, pela pré-Libertadores, o São Paulo, do novato treinador André Jardine, terá de fazer na próxima quarta (13) o que somente uma vez conseguiu na competição para seguir vivo: reverter um placar desfavorável de dois gols na partida de ida.

Aconteceu na edição de 1993, ano em que o time comandado por Telê Santana obteve o bicampeonato da competição, com um elenco que tinha, entre outros, Raí, Cafu, Müller e Zetti.

Nas oitavas de final, fase em que o São Paulo estreou - o regulamento dava ao campeão do ano anterior a regalia de estrear só nos mata-matas -, visitou o Newell's Old Boys e levou de 2 a 0.

Parecia que o time argentino, derrotado pelo clube tricolor na decisão de 1992, teria sua vingança - só parecia.

Com dois gols de Raí (hoje diretor-executivo de futebol do clube), um de Cafu e um de Dinho, o São Paulo goleou por 4 a 0 no Morumbi, para depois superar Flamengo, Cerro Porteño (Paraguai) e Universidad Católica (Chile).

Somente 23 anos depois o time viria a ser derrotado de novo por dois gols de diferença na partida de ida de um mata-mata de Libertadores.

Foi na semifinal de 2016, diante do Atlético Nacional, de Medellín, que ganhou por 2 a 0 no Morumbi, dois gols do hoje palmeirense Borja.

No duelo de volta, na Colômbia, Borja voltou a ser o carrasco: fez dois gols e o São Paulo perdeu por 2 a 1.

Em oito ocasiões, o São Paulo foi derrotado no primeiro jogo de um confronto eliminatório por apenas um gol de diferença. Em três delas (Newell's, em 1992; Rosario Central, em 2004; e Estudiantes, em 2006), conseguiu se recuperar e suplantar o rival, mas sempre na disputa de pênaltis - inclusive na decisão de 1992.

Nas outras cinco, sucumbiu, quatro delas ante brasileiros: Vélez, na final de 1994 (nos pênaltis); Internacional, na final de 2006; Cruzeiro, em 2009; Internacional, em 2010; e Atlético-MG, em 2013.


*Por Luís Curro, da Folhapress

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado