Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Quinta, 14 Fevereiro 2019 17:33

Com duas dívidas, Corinthians já pagou R$ 125 milhões por arena em Itaquera

Em entrevista, o diretor financeiro do clube, Matias Romano Ávila, disse que o time do Parque São Jorge ainda deve R$ 425 milhões a Caixa Econômica Federal
Além da dívida com a Caixa, o clube precisa ainda quitar um compromisso com a Odebrecht, que construiu o estádio Além da dívida com a Caixa, o clube precisa ainda quitar um compromisso com a Odebrecht, que construiu o estádio Bruno Teixeira/Site Oficial do Corinthians
Por Folhapress
De São Paulo

O Corinthians pagou até o momento R$ 125 milhões do financiamento feito junto à Caixa Econômica Federal para a construção de sua arena, em Itaquera. Em entrevista à reportagem, o diretor financeiro do clube, Matias Romano Ávila, disse que o time do Parque São Jorge ainda deve R$ 425 milhões ao banco.

A dívida com o banco estatal é uma das duas que o Corinthians tem para pagar. O clube precisa ainda quitar um compromisso com a Odebrecht, que construiu o estádio. O valor a ser pago para a empreiteira pode chegar a R$ 800 milhões. O Corinthians diz negociar essa montante, já que alega que algumas obras não foram concluídas.

Sobre a dívida com a Caixa, Ávila afirmou que o pagamento está em dia.

"Durante o ano, são oito meses que pagamos R$ 6 milhões, de março a outubro, e quatro meses de R$ 2,5 milhões, de novembro a fevereiro", explicou.

O período de parcelas com valor reduzido corresponde a meses em que o Corinthians disputa menos jogos, quando não há campeonatos. Segundo previsão do clube, 75% da receita para o pagamento do financiamento será obtida com a bilheteria das partidas.

"Está previsto R$ 75 milhões em receita de bilheteria e mais R$ 25 milhões em eventos na arena", diz Ávila. "Essa dívida será paga em 12 anos", afirma o diretor, mantendo o que está previsto inicialmente no contrato.

Entenda a dívida do Corinthians:

- Quanto o clube deve pelo estádio?
O clube não divulga um valor oficial, mas as estimativas são de cerca de R$ 1 bilhão, somando o financiamento com a Caixa Econômica Federal e a dívida com a Odebrecht, construtora responsável pelo estádio.

- Como o clube bancou a construção do estádio?
Financiamento da Caixa Econômica Federal e uma dívida com a Odebrecht, construtora do estádio.

- Quanto o clube deve à Caixa Econômica Federal pelo financiamento do estádio e quanto já foi pago?
Segundo o diretor financeiro do Corinthians, Matias Antonio Romano de Ávila, o clube deve R$ 425 milhões. "Nós já pagamos R$ 125 milhões", afirma.

- Quanto o clube paga mensalmente ao banco?
Após uma longa negociação com a Caixa, o Corinthians acertou o seguinte fluxo de pagamento: oito meses de R$ 6 milhões, de março a outubro, e quatro meses de R$ 2,5 milhões, de novembro a fevereiro. As parcelas menores se referem a meses com menos jogo. O clube começou a pagar este financiamento em julho de 2015. Em março de 2016, porém, o pagamento foi paralisado porque o time alvinegro não conseguia acumular o valor das parcelas. Após negociar com a Caixa, o Corinthians voltou a quitar a dívida a partir de setembro de 2017.

- Em qual prazo o clube pretende quitar a dívida?
Apesar de negociar com a Caixa um novo fluxo para o pagamento para as parcelas, o Corinthians afirma que manteve o prazo previsto inicialmente, de 12 anos, com vencimento em 2028.

- Quais são as outras dívidas do Corinthians? Quanto precisa pagar?
Além da Caixa, o Corinthians deve à Odebrecht um valor estimado em R$ 800 milhões, sendo R$ 290 para a construtora e o restante, que incluem juros e correções, para a OPI (Odebrecht Participações e Investimentos), braço financeiro do grupo, que financiou parte da arena. O Corinthians, no entanto, alega que vai negociar este valor. Segundo o clube, parte da obra que não teria sido executada pela construtora. "Este valor [da dívida com Odebrecht] não podemos divulgar, porque tem coisas que a construtora deixou de fazer na arena. Ainda estamos negociando", explica o diretor financeiro.

- Quais as fontes de receita do Corinthians para o pagamento do estádio?
A bilheteria dos jogos do clube é a principal fonte de receita. No orçamento para este ano, há também a previsão de renda proveniente de eventos. "Está previsto arrecadar R$ 75 milhões em receita de bilheteria e R$ 25 milhões em eventos na arena", diz Ávila.

- Como o Corinthians pretende pagar a dívida com a Odebrecht?
Segundo o diretor financeiro do clube, o Corinthians tem R$ 450 milhões em Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CDI). O clube planeja vender esses títulos para quitar a dívida com a Odebrecht.

- O Corinthians ainda tenta vender o naming rights?
Sim. Cinco anos após a inauguração, o clube ainda não conseguiu fechar um contrato com um patrocinador. O presidente do clube, Andres Sanchez, já disse estar próximo de um acordo algumas vezes, sem sucesso. "É claro que o naming rights vão ajudar a liquidar essas contas todas. Se ele vier, ajuda o Corinthians a pagar o financiamento e o clube poderia voltar a ficar com a bilheteria. E ele [naming rights], está para acontecer", afirma Matias Antonio Romano de Ávila.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado