últimas notícias
MP apura suposta fraude durante a presidência de Paulo Skaf
MP apura suposta fraude durante a presidência de Paulo Skaf
Foto: THIAGO NEME/GAZETA DE S.PAULO

Sistema S é suspeito de privilégios a parentes

empregos. Polícia apura se cúpula estadual do Sistema S usaram o Sebrae como cabide

Um inquérito civil em São Paulo apura se integrantes da cúpula estadual do Sistema S, entidades cujos gastos têm sido questionados pelo ministro Paulo Guedes (Economia), usaram o Sebrae como cabide de empregos para parentes e aliados.

Não que a investigação tenha inibido os citados.

Dois apontados em depoimento como suspeitos de terem parentes empregados de forma irregular, Fábio Meirelles e Sylvio Rosa Goulart, foram homenageados em evento do próprio Sebrae no último dia 21 de maio.

O inquérito, aberto pelo Ministério Público de São Paulo, tem como objetivo apurar suposta improbidade e denúncias de fraudes durante a presidência de Paulo Skaf (2014-2018) no conselho deliberativo do Sebrae-SP.

A investigação envolve também pessoas que comandam outras entidades e cujos recursos vêm de contribuições compulsórias sobre as folhas de pagamento da
indústria.

Enquanto a maior parte do Sistema S é composta de entidades ligadas a uma única federação (de indústria, comércio ou agricultura, por exemplo), o Sebrae, que é o serviço de apoio à micro e pequena empresa, tem um modelo de gestão compartilhada.

O próprio Paulo Skaf (MDB), que representa a Fiesp (federação das indústrias de São Paulo), também preside o Sesi-SP e o Senai-SP. Ele comanda a Fiesp desde 2004.

Fábio Meirelles é presidente da Faesp (federação paulista de agricultura) há 40 anos e também chefia o Senar-SP.

Em 2016, Meirelles era conselheiro do Sebrae-SP, enquanto o seu filho, Tirso Meirelles, era secretário do conselho - o que é proibido de acordo com o estatuto da
entidade.

Atualmente, Tirso é o presidente do conselho do Sebrae, após o termino do mandato de Skaf. Foi ele quem entregou a homenagem, de "incentivo ao empreendedorismo", ao pai.

Já Sylvio Goulart Rosa é presidente do ParqTec (fundação de tecnologia de São Carlos, ligada ao Governo de SP) e conselheiro do Sebrae-SP.

Sua filha, Paula Rosa, trabalhava no escritório da entidade em São Carlos (a 231 km da Capital), com salário superior a outras pessoas que faziam a mesma função e, segundo a diretoria do Sebrae, com menor produtividade.

Um braço direito de Paulo Skaf também teve sua contratação questionada. Seu ex- chefe de gabinete da Fiesp, Rossildo Faria, foi empregado como gerente de unidade do Sebrae-SP, atropelando a regulamentação interna - ele não tinha escolaridade mínima para ocupar o posto.

Os casos de Tirso Meirelles e Rossildo Faria chegaram a ser apontados como irregulares em relatório preliminar de compliance (boas práticas corporativas) da consultoria Deloitte. No entanto, em relatório posterior, essas menções negativas foram
suprimidas.

A mudança nos relatórios foi revelada em reportagem da "Folha de S.Paulo" e motivou uma representação enviada ano passado à Promotoria de Patrimônio Público de São Paulo, que apontava uma série de outras supostas irregularidades na entidade.

Foi aberto um procedimento prévio de investigação em setembro passado, enquanto Skaf era candidato ao governo paulista pelo MDB, quando ficou em terceiro
lugar.

Oficialmente, esse procedimento virou inquérito em dezembro do ano passado. A Deloitte também é investigada. O primeiro depoimento, no entanto, só foi tomado em 16 de maio deste ano, quando Bruno Caetano, ex-superintendente do Sebrae-SP, confirmou as informações da representação ao promotor Silvio Marques. Ele afirmou no depoimento que havia informado a Tirso, então presidente interino do conselho, a respeito da situação irregular de Rossildo, mas nada foi feito. Diz que Rossildo trabalhou por um ano com remuneração de aproximadamente
R$ 30 mil mensais antes de ser desligado.

Procurado, o Sebrae-SP afirmou em nota que "os processos de admissão de funcionários seguem as regras e critérios estabelecidos pelo Sistema Sebrae de Gestão de Pessoas, com vistas a garantir mais eficiência e melhor prestação de serviços". Tirso Meirelles e Fábio Meirelles não se manifestaram.

A assessoria de Paulo Skaf afirma que, durante sua gestão à frente do Conselho Deliberativo do Sebrae-SP, ele "sempre agiu de acordo com a legislação, as regras internas e decisões tomadas pelo próprio Conselho."
(José Marques/FP)

Tops da Gazeta