últimas notícias
O animal, de seis meses, foi resgatado na noite de sexta (16), enrolado em um cobertor, em chamas, em um terreno na cidade
O animal, de seis meses, foi resgatado na noite de sexta (16), enrolado em um cobertor, em chamas, em um terreno na cidade
Foto: Divulgação Associação Limeirense de Proteção aos Animais

Responsável por cachorro queimado vivo é multado

Prefeitura de Limeira multou em cerca de R$ 14,5 mil o responsável por queimar e provocar a morte de um cão da raça pit bull

A Prefeitura de Limeira, no interior paulista, multou em cerca de
R$ 14,5 mil o responsável por queimar e provocar a morte de um cão da raça pit bull.

De acordo com a administração municipal, a notificação emitida na quarta-feira (21) foi fixada em 550 Ufesps (unidade fiscal do Estado, que vale R$ 26,53 neste ano). O prazo para o pagamento ou para apresentação de defesa é de 20 dias. O homem foi identificado na segunda (19), levado a uma delegacia e liberado após depoimento.

Ele confessou o crime e alegou que o cachorro estava doente, segundo a polícia. Antes, o cão também teria sido agredido.

O animal, de seis meses, foi resgatado na noite de sexta (16), enrolado em um cobertor, em chamas, em um terreno na cidade. Em meio a gritos e gemidos, pessoas que estavam na região levaram balde de água para pagar o fogo.

O cachorro, que ganhou nome de Titan, foi acolhido pela Alpa (Associação Limeirense de Proteção a Animais), hospitalizado, mas não resistiu e morreu na manhã de domingo (18). De acordo com a prefeitura, laudo mostra que o cão apresentava sinais de queimadura por todo o corpo, principalmente na região da cabeça e da face. Tinha também grave lesão renal, e exame físico identificou que ele estava com sinais claros de muita dor. Além disso, o animal tinha mutilação anterior nas orelhas, que haviam sido cortadas - medida proibida para fins estéticos.

O caso ainda será avaliado pelo Ministério Público e, apesar da morte do animal, a legislação permite que o responsável responda em
liberdade. (FP)

Tops da Gazeta