últimas notícias
Há mais de 10 anos, o TJ-SP conta com motoristas terceirizados
Há mais de 10 anos, o TJ-SP conta com motoristas terceirizados
Foto: Site Oficial do TJ-SP

TJ-SP quer ampliar uso de táxi por juízes e servidores

A presidência do Tribunal está fazendo levantamento de quanto já foi utilizado, desde a implantação, e da projeção de economia que a expansão do uso poderá trazer

A nova gestão do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) pretende ampliar o serviço de táxis para a locomoção de magistrados e servidores.

A presidência está fazendo levantamento de quanto já foi utilizado, desde a implantação, e da projeção de economia que a expansão do uso poderá trazer.

Em agosto último, o tribunal lançou o "Táxi TJSP" - convênio com o aplicativo Use Táxi. Naquele mês, magistrados e servidores das dez regiões administrativas participaram de projeto-piloto para uso aplicativo e credenciamento de funcionários que utilizariam o serviço.

O tribunal considera que a experiência foi bem aceita e a nova gestão pretende incentivar o uso de aplicativos nas comarcas do Interior - que já podem fazê-lo.

Os táxis podem ser utilizados em trajetos de até 100 quilômetros.

O TJ-SP mantém servidores que trabalham com o transporte de pessoas (magistrados, servidores, técnicos e jurados), de processos, móveis, utensílios e suprimentos. O cargo desses motoristas é denominado agente de segurança, que, há mais de 25 anos, não pode fazer uso de armas.

Há mais de 10 anos, o TJ-SP conta com motoristas terceirizados. Desde o final de 2017, os magistrados também são conduzidos pelos terceirizados.

Em outubro último, o tribunal assinou contrato com a Toyota do Brasil, para aquisição de 46 veículos sedan institucionais na cor preta, no valor de R$ 4,157 milhões.

Em julho daquele ano, o TJ-SP já havia fechado contrato com a Toyota para a aquisição de 30 veículos institucionais, por R$ 2,670 milhões. A nova compra gerou críticas de juízes por ter sido realizada em período de restrições orçamentárias.

O TJ-SP informou que vinha desenvolvendo projeto para estimular o uso de aplicativos, prática adotada então por cerca de 10% dos desembargadores e seguida pela administração.

O tribunal conta com cinco veículos de representação e 351 veículos institucionais. A frota total, incluindo veículos de serviços, é de 1.288 veículos.

*Por Frederico Vasconcelos, da Folhapress

Comentários

Tops da Gazeta