últimas notícias
Ladrões durante assalto a casal, em novembro de 2020, em um dos bancos no calçadão Praia da Biquinha, em São Vicente


Leia mais em: https://www.diariodolitoral.com.br/policia/homicidios-e-roubos-despencam-em-2020-ao-menor-nivel-desde-2001-na/142161/Ladrões durante assalto a casal, em novembro de 2020, em um dos bancos no calçadão Praia da Biquinha, em São Vicente
Ladrões durante assalto a casal, em novembro de 2020, em um dos bancos no calçadão Praia da Biquinha, em São Vicente Leia mais em: https://www.diariodolitoral.com.br/policia/homicidios-e-roubos-despencam-em-2020-ao-menor-nivel-desde-2001-na/142161/Ladrões durante assalto a casal, em novembro de 2020, em um dos bancos no calçadão Praia da Biquinha, em São Vicente
Foto: Reprodução

Baixada Santista e Vale do Ribeira: Registro de homicídios cai em 2020

Foram 121 homicídios e 11.845 roubos de janeiro a dezembro nas 24 cidades que compõem as duas regiões

Em 2020, primeiro ano do Brasil sob impacto da pandemia de Covid-19, os casos de homicídios e roubos na Baixada Santista e no Vale do Ribeira despencaram ao menor nível desde 2001, quando começou a série histórica de contabilização dos dados da Secretaria da Segurança Pública (SSP) de São Paulo. De janeiro a dezembro de 2020 foram 121 homicídios e 11.845 roubos nas 24 cidades que compõem as duas regiões, de Bertioga a Barra do Turvo, na divisa com o Paraná.

Para se ter uma ideia da curva de homicídios ao longo de 20 anos, em 2002, Baixada e Vale tiveram 776 casos: ou seja, um número mais de seis vezes superior ao registrado em 2020.

Na comparação com 2019, quando houve 141 homicídios, a queda percentual foi de 14,18%. Já a quantidade de vítimas deste crime recuou 15,23%, de 151 pessoas para 128.

Macaque in the trees
Arte: Diário do Litoral

“Com isso, as taxas dos últimos 12 meses (de janeiro a dezembro de 2020), diminuíram para 5,73 casos e 6,06 vítimas de homicídio doloso para grupo de 100 mil habitantes. Os índices também são os menores da série”, afirma a Secretaria da Segurança Pública.

O trabalho das polícias Civil e Militar na Baixada e no Vale, em 2020, resultou em 9.298 prisões.

O diretor regional da Polícia Civil, Manoel Gatto Neto, disse ao Diário do Litoral nesta terça-feira (26), ao comentar os números, que a redução de homicídios é resultado de uma taxa de esclarecimento de autoria acima de 85%.

“Isso vem acontecendo de forma acentuada nos últimos seis anos e tem relação com o número de casos esclarecidos. Uma demonstração de eficiência do nosso setor de investigação”, frisa.

Os dados de assassinatos da Baixada e Vale representam um cenário diferente do verificado nos dados totais do Estado em 2020, com registro de aumento de 4,14% nos homicídios dolosos. Passaram de 2.778 em 2019 para 2.893. A marca interrompeu uma sequência de sete anos de queda. A taxa estadual ficou em 6,48 homicídios e 6,81 vítimas por 100 mil habitantes.

Crime que também interfere de modo direto na sensação de segurança da população, o roubo em geral caiu 18,4% em 2020, ao chegar à marca de 11.845 casos, ante 14.520 em 2019. Ou seja: foram 2.675 registros de ocorrência a menos no primeiro ano sob impacto da pandemia.

Todas as modalidades de roubos e furtos caíram em 2020 na comparação com o ano anterior, conforme os dados da SSP.

Macaque in the trees
Arte: Diário do Litoral

“Com relação aos casos de furto e roubo temos cobrado dos policiais um boletim de ocorrência mais detalhado. Temos pedido às vítimas que olhem os álbuns fotográficos para possibilidade de reconhecimento. E, ainda, a elaboração de retrato falado. E, principalmente, temos estimulados os nossos delegados de polícia a representarem pela prisão dos autores de roubo, por entendermos que ladrão preso gera uma menor quantidade de roubo”, disse o delegado Gatto Neto.

Roubos de veículo passaram de 1.493 para 900 (-39,71%). Os roubos de carga recuaram 33,92% (de 395 para 261). Pela primeira vez em um ano, Baixada e Vale não tiveram registro de roubo a banco.

Os furtos em geral recuaram 12%, com um total de 25.464 ocorrências ante 28.937. O número é o segundo menor da série histórica. Nos furtos de veículo a queda foi de 25,14%: o indicador passou de 2.904 para 2.174 - a menor quantidade da série histórica.

Ao ser questionado sobre o contexto daqueda de crimes no primeiro ano da pandemia, Gatto Neto disse que “embora estejamos vivendo os funestos efeitos da pandemia, a Polícia Civil não para de trabalhar”.

“Nós estamos com nossas delegacias, nossos plantões trabalhando 24 horas. Nós não paramos de prender, de esclarecer crimes. Daí os excelentes resultados e a queda dos indicadores de criminalidade. Os bons números são fruto de muito trabalho por parte da polícia e a gente está bastante satisfeito e motivado em continuar trabalhando nesse sentido”, enfatizou.

Latrocínio cresce

Na contramão das estatísticas com diminuições, estão os casos de latrocínio (roubo seguido de morte), que subiram de oito para 14 em número de casos em 2020 (+75%) e de oito para 16 em número de vítimas (+100%).

O diretor regional da Polícia Civil destaca que quase que totalidade desses casos foram esclarecidos pela polícia e os autores foram presos. “Temos um bom trabalho da polícia”, frisa.

Estupros

Os estupros em geral tiveram uma redução foi de 3,77%, com um total de 639 ocorrências registradas no ano passado, ante 664 em 2019. Já os estupros de vulneráveis subiram de 479 casos para 491 em 2020 (+2,50%).

Sobre os estupros de vulneráveis, Gatto Neto observa que têm a característicade ocorrer no ambiente familiar. “Entre pessoas conhecidas (da vítima), amigos, parentes, marido, mulher, onde a ação do policiamento preventivo nem sempre consegue atingir. Acontece no interior da residência e é de difícil prevenção”, assinala.


Galeria de Fotos

Comentários

Tops da Gazeta