Publicidade

X
MOBILIDADE E LAZER

81% das ciclovias da Capital estão 'ok', mas 5% precisam de obras urgentes

Segundo os ciclistas que vistoriaram 700 km destas vias presentes na cidade, 12% delas necessitam de manutenção

Publicidade

Ciclovia Franco Montoro, às margens do Rio Pinheiros, em SP / Joe Silva/Gazeta de S. Paulo

Uma ampla vistoria realizada pela Associação Ciclocidade nas ciclovias da cidade concluiu que a maioria destas pistas apresenta boas condições. A análise teve apoio da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Participaram da vistoria onze ciclistas que visitaram quase 700 quilômetros de vias e chegaram à conclusão de que 81% delas foram aprovadas e 12% precisam de manutenção. O texto conta com informações do "g1".

Apesar do bom resultado geral, a análise encontrou problemas em algumas ciclovias. No total, 5% necessitam de requalificação imediata porque os ciclistas correm riscos. Outros 2% da malha, apresentam problemas de pintura onde a sinalização está apagada, ou aparecem no mapa da prefeitura, mas nunca foram demarcadas.

De acordo com o plano de metas assinado pelo prefeito Ricardo Nunes (MDB), estão previstos mais 300 quilômetros de ciclovias ou ciclofaixas até 2024.

Ciclovia da Marginal Pinheiros 

A ciclovia Ciclovia Franco Montoro, que se estende por 22 quilômetros na Marginal do Rio Pinheiros, uma das mais conhecidas da cidade, ganhou duas quadras de areia para a a prática de beach tennis.

As novas quadras são resultado do projeto patrocinado por empresas para revitalização do Rio Pinheiros. O beach tennis é um esporte que tem se tornado popular na cidade. 

"O beach tennis é super inclusivo para quem nunca fez e quer começar a praticar algum esporte. E a gente quer mudar a cultura ali no rio para criar uma experiência diferente para a pessoa. Vai pedalar, jogar um beach tennis, o café é um ponto de encontro. Nos finais de semana a gente quer criar eventos. É um passeio para curtir o dia inteiro", diz o empresário Anuar Tacach Filho, responsável pelo Ciclo Beach Tennis. 

Apesar de os organizadores das novas quadras preveem acesso gratuito para moradores de comunidades próximas, o uso das quadras será pago. Os preços vão de R$ 165 de segunda a sexta a R$ 220 a hora aos finais de semana. 

O mesmo projeto também prevê a instalação de quadras totalmente gratuitas até outubro na outra margem do rio, onde será o Parque Bruno Covas. 

A Ciclovia Franco Montoro, do Rio Pinheiros, se localiza em uma área de propriedade da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), ao lado da linha 9-Esmeralda de trens. Em fevereiro de 2020, o governo do estado firmou um convênio com a empresa Farah Service para a administração do local.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Brasil

Saiba o que muda com a nova prova de vida do INSS

Comprovação deixa de ser presencial e baseia-se em cruzamento de dados

Mundo

Nicolas Vlavianos, que criou esculturas no Arouche e na Sé, morre aos 93 anos

Segundo sua filha, Myrine Vlavianos, o artista passou os últimos seis meses entre idas e vindas do hospital

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software