Publicidade

X
TURISMO LIMITADO

Campos do Jordão afasta 'turistas de um dia' com novas regras

As medidas, que já estavam em vigor antes mesmo da publicação do decreto, pegaram visitantes de surpresa e frustraram alguns planos de viagem

Publicidade

Agências e guias protestaram contra medida no feriado / Arquivo Pessoal

Campos do Jordão está sendo palco de uma polêmica desde que estabeleceu novas regras para o turismo de um dia na cidade. Isso porque a prefeitura decidiu controlar o tempo de permanência de ônibus de viagens que chegavam à região turística pela manhã e só deixavam o local pela noite.

A nova medida foi publicada em decreto oficial nesta quarta-feira (22), mas na prática já estava valendo há alguns dias, inclusive no feriado de Corpus Christi. Alguns turistas desavisados, tiveram de mudar os planos de passeio pelo município. O texto conta com informações do "g1". 

De acordo com as novas regras, os ônibus de turismo agora só podem ficar na cidade pelo período máximo de quatro horas. A mesma regra também vale para as vans. Guias e agências reclamam das restrições. 

A prefeitura afirma que a instauração da regra era de extrema urgência e que o objetivo é organizar o fluxo viário na cidade. "Ainda existe uma situação de pandemia vigente que merece toda nossa atenção. Além da questão sanitária, verificamos também inúmeros benefícios quanto a deslocamento em vias públicas". 

Além da limitação de tempo, o texto estabelece o limite de 60 ônibus para o turismo de um dia e ‘city tour’, com escalonamento de horários. Os veículos precisam também se cadastrar previamente e ter autorização da gestão. O documento ainda diz que a prefeitura pode alterar as regras em caso de "comprometimento da mobilidade urbana".

O feriado de Corpus Christi, que abre a alta temporada na cidade, foi o primeiro dia de valia das novas regras, mas sem qualquer aviso prévio. Naquele fim de semana prolongado, quem já tinha planejado viagem à cidade foi surpreendido com um e-mail no dia anterior avisando que haveria novas regras com a justificativa de “evitar aglomerações”.

Os motoristas cadastrados, que já tinham a autorização para entrar na cidade, foram surpreendidos com a limitação no tempo de permanência de quatro horas. Um grupo viajou oito horas de Belo Horizonte e teve o aviso de restrição de horário só no portal de entrada da instância turística.

Juliana Oliveira veio com a família na excursão vinda do estado mineiro e planejou a viagem por meses, mas acabou frustrada com os impeditivos. 

“Não fomos avisados antes, nos planejamos para esse passeio em família. Os parques e pontos mais distantes ficaram de fora, não conseguimos aproveitar os bares e restaurantes do Capivari porque com a cidade cheia, não tinha como esperar e correr o risco de passar do horário”, conta. O grupo voltou para casa com mais tempo de estrada, do que de passeio na cidade.

 

Agências protestam contra medida 

As agências de turismo contam que também foram negativamente surpreendidas. Wesley, que atua com turismo há cinco anos diz que os clientes foram prejudicados. 

“Eu vendi um tour, um total de horas de serviço e não pude entregar nem a metade. O meu cliente fica frustrado e pode me acionar juridicamente por uma coisa que eu não tinha controle, que a prefeitura agiu às escuras”, afirma.

Agentes e guias fizeram um protesto na sexta-feira do feriado pedindo que a prefeitura revogasse a medida.

"A gestão alega que quer turismo consciente. Isso acontece com a limitação de coletivos e estamos seguindo a regra. A nova regra é preconceito. Uma forma de tentar impedir que essas pessoas entrem em uma medida para elitizar ainda mais a cidade”, completa Wesley.

As agências afirmam ainda que o turismo de um dia movimenta em média R$ 12 milhões ao mês na temporada, levando em conta apenas o fim de semana, de sexta a domingo. São 43,2 mil pessoas com gasto médio de R$ 300.  

Benedito Matiniano é guia na cidade há 30 anos e teme que a regra prejudique a cidade. 

"As pessoas estavam com viagem marcada, o passeio tem um tempo longo, para a pessoa conhecer e curtir a cidade. Podem consumir nela. Fazer correndo só vai limitar e ainda faz com que desistam de vir. Os passeios deste fim de semana estão sendo todos cancelados", lamenta.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

DISNEY, NETFLIX E OUTRAS MAIS

EUA: Após revogação do aborto, empresas irão custear viagens para funcionárias

Gigantes do entretenimento como a Netflix, Disney e Paramount já estão se posicionando a favor de funcionárias que pretendam realizar o procedimento

MAIS CARO DA HISTÓRIA

Jantar com Warren Buffett é arrematado por quase R$ 100 milhões

Jantar foi arrematado no leilão beneficente anual realizado pelo investidor

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software