X

NA CÂMARA DE SP

CEO da Uber afirma que sede da empresa vai continuar em Osasco

Executiva diz que Uber está construindo uma nova sede em Osasco; presidente da CPI diz investigar possível evasão fiscal de apps na Capital

Bruno Hoffmann

Publicado em 01/06/2022 às 12:22

Atualizado em 01/06/2022 às 12:42

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Uber / Divulgação

A CEO da Uber, Sílvia Penna, disse que a empresa vai continuar na cidade de Osasco, na Grande São Paulo, em vez de voltar para a Capital. A afirmação foi dada durante depoimento à CPI dos Aplicativos, na Câmara Municipal de São Paulo, na tarde desta terça-feira (31).

Sílvia Penna depôs amparada por um habeas corpus preventivo que, entre outras coisas, permitiu a ela ficar em silêncio sobre fatos que implicassem autoincriminação e não assinar o documento legal de dizer a verdade à Comissão.

Segundo ela, a Uber está construindo uma nova sede em Osasco.

“Aquele é o local no qual vamos fazer um campus. Globalmente tivemos, durante a pandemia, uma série de mudanças no formato de trabalho. Inclusive em São Francisco [nos Estados Unidos] a Uber também mudou de um escritório para um campus e, aqui no Brasil, temos essa construção em andamento”, explicou.

“É um projeto complexo, é um terreno que precisa de bastante intervenção, então está em processo. Temos a aprovação de projetos internos e externos, todas as licenças e agora conseguimos as licenças de demolição, então é um projeto que segue em andamento”, completou ela, de acordo com o Portal da Câmara.

Questionada, Sílvia tentou justificar a ausência de funcionários na sede da Uber em Osasco quando a CPI realizou diligência no local, em março deste ano.

“A informação que eu tenho é que vossas excelências subiram na hora do almoço, então não conseguiram… Cruzaram com muitos funcionários no elevador ou cruzaram com muitos funcionários no lobby. Mas nossa sede é em Osasco e os nossos funcionários trabalham efetivamente em Osasco, em um modelo híbrido”, se defendeu.

Os vereadores da CPI dos Aplicativos apuram a saída das empresas de aplicativo da capital paulista por causa da redução de ISS oferecido por cidades vizinhas. A prática é chamada pelos membros da CPI de evasão fiscal – que é o uso de formas ilegais para evitar o pagamento de tributos.

O presidente da CPI, vereador Adilson Amadeu (União Brasil), disse que a comissão está apurando todos os indícios de evasão fiscal que a Uber praticaria na Capital.

"Não me parece justo que a empresa utilize de toda a malha viária paulistana e não aceite contribuir com nenhuma contrapartida de sua parte. Mas já estamos seguindo uma linha das investigações, dos abusos praticados por essas empresas que a CPI já revelou e teremos muito material para constar no relatório final", afirmou, em contato com a reportagem da Gazeta.

Adilson Amadeu (União Brasil) é vereador em São Paulo

Adilson Amadeu é presidente da CPI dos Apps na Câmara de SP/Foto: Afonso Braga/CMSP

Em maio deste ano, a empresa de aplicativos 99 Tecnologia, responsável pelo 99 Taxi, anunciou o retorno da sede da companhia para a cidade de São Paulo, dez meses depois de ter se mudado também para o município de Osasco.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Leilão de veículos

Detran-SP realiza leilão online com lances a partir de R$ 2 mil

Carros conservados e sucatas disponíveis; visite e faça seu pré-lance em julho

Licitação

Prefeitura de Capivari abre licitação de R$ 807 mil para recapear ruas

Obras serão destinadas às ruas Vitório Gatti e Américo Forti, no bairro Porto Alegre; prazo de entrega da obra é de até 3 meses

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter