X

CÂMARA DE SP

Com aumento de crimes, vereador quer que projeto pelo fim do PIX ande em SP

Após aumento de 228% de crimes contra o PIX, Marcelo Messias (MDB) insiste na importância de projeto que pede o fim da ferramenta na Capital

Bruno Hoffmann

Publicado em 17/05/2022 às 15:50

Atualizado em 17/05/2022 às 15:57

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Marcelo Messias é vereador em São Paulo pelo MDB / Ettore Chiereguini/Gazeta de S. Paulo

O vereador Marcelo Messias (MDB) voltou a insistir na necessidade de proibir o PIX na capital paulista após um levantamento da “CNN” mostrar que os crimes envolvendo esse modelo de transferência bancária cresceram 228,4% no primeiro trimestre deste ano em comparação ao mesmo período de 2021.

Além disso, houve aumento de 6% de roubos e furtos de celular no estado de São Paulo em janeiro e fevereiro deste ano, com 60.828 ocorrências.

Em entrevista à Gazeta, Messias, que apresentou em fevereiro deste ano um projeto de lei na Câmara Municipal de São Paulo que propõe proibir o PIX na capital paulista, disse que a ferramenta tem causado uma insegurança muito alta, e até a volta de sequestros na cidade.

“Agora tem a moda em São Paulo de se ter dois celulares: um para ficar em casa, com o Pix, e o outro para usar no dia a dia”, explicou o vereador.

Segundo ele, os idosos são especialmente vulneráveis a esse tipo de criminalidade, por terem, em geral, menos habilidade para lidar com inovações tecnológicas.

Messias afirmou que, desde que apresentou o projeto, não recebeu qualquer contato da Febraban (Federação Brasileira de Bancos) para discutir melhorias na ferramenta de transferência. “Eu não sou contra o PIX, sou a favor da vida”, garantiu.

No projeto, o parlamentar sugere que as contas vinculadas a agências bancárias de São Paulo voltem a dispor apenas de TED e DOC. A proposta está neste momento em análise na Câmara de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Municipal.

O parlamentar diz também que vem conseguindo apoio entre vereadores da Casa para votar a favor do projeto.

Lançado em novembro de 2020, o Pix se tornou popular rapidamente. De acordo com a “CNN”, em março o número de transações alcançou 1,6 bilhão.  

Pesquisa realizada pela Febraban do fim do ano passado mostra que o Pix é aprovado por 85% dos brasileiros.
 

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Nasceu em julho ou agosto?

Caixa libera abono do PIS/PASEP para trabalhadores nascidos em julho e agosto

Governo deve liberar R$ 4,5 bilhões para os benefícios, sendo R$ 3,9 bilhões para o PIS e R$ 613 milhões para o PASEP

Delação Premiada

Caso Marielle: STF julga esta terça denúncia dos mandantes envolvidos no crime

Ministros vão decidir se os suspeitos se tornarão réus por homicídio e organização criminosa; acusados estão presos desde março

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter