Publicidade

X

CONFUSÃO

GCM usa bomba de gás e spray de pimenta para dispersar bloco na Barra Funda

Foliões que acompanhavam o desfile relataram que era perto das 17h, a música tinha parado, mas ainda tinham ambulantes e muitas pessoas nas ruas

MARIANA ZYLBERKAN - FOLHAPRESS

Publicado em 12/02/2024 às 15:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Guarda Civil Metropolitana / Divulgação/Prefeitura de São Paulo

A GCM (Guarda Civil Metropolitana) usou bomba de gás, bala de borracha e spray de pimenta para dispersar foliões que ocupavam o entorno da praça Olavo Bilac, na Barra Funda, zona oeste de São Paulo, após o bloco Prato do Dia, na tarde deste domingo (11).

Foliões que acompanhavam o desfile relataram que era perto das 17h, a música tinha parado, mas ainda tinham ambulantes e muitas pessoas nas ruas. Foi quando os agentes se posicionaram em formação de confronto e começaram a bater os cassetetes nos escudos. Garrafas de vidro foram lançadas em direção aos agentes, que revidaram com tiros de bala de borracha.

Faça parte do grupo da Gazeta no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.


Uma foliona foi atingida no pé e outra foi alvo de uma borrifada de spray de pimenta a queima-roupa quando se aproximou dos agentes para argumentar sobre uso da violência na dispersão.

"Encerramos o bloco às 16h, e a GCM argumentou que precisava dispersar para a equipe de limpeza trabalhar", diz a organizadora do bloco, Carolina Ragagnin.

Ainda havia pessoas na rua quando as equipes da limpeza usaram jatos d'água para limpar o asfalto. Procurada, a gestão do prefeito Ricardo Nunes (MDB) ainda não respondeu.

O entorno da praça Olavo Bilac concentra bares e casas noturnas e costuma ficar com as calçadas tomadas nos finais de semana, fora do período de Carnaval.

Neste ano, a gestão Nunes determinou a dispersão dos blocos até as 17h, o que tem sido alvo de protestos por parte dos organizadores. No ano passado, o horário limite para o encerramento foi às 18h.

A demora para os foliões liberarem as ruas também foi motivo para dispersões violentas no Carnaval do ano passado, principalmente, na região central.

Houve denúncias formais de agressão à Ouvidoria das Polícias, que, neste ano, se reuniu com os blocos e com o comando da Polícia Militar para reduzir as ocorrências de violência policial nos dias de festa.

A dispersão do bloco Bonde Pesadão, da cantora Iza, que ocupou as ruas de Santo Amaro, na zona sul, neste domingo, contou com um "paredão" de funcionários da prefeitura que foram arrastando os foliões assim que a música parou.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Mundo

Senador quer convocar ministro após fala de Lula sobre Israel

Carlos Portinho disse que Lula 'provocou o início do que pode ser uma grave crise diplomática entre Israel e o Brasil'

Esportes

Felipão se irrita com torcedores do Atlético-MG após eles pedirem mudanças no time

Alguns torcedores pediram mais espaço para Alisson Santana, joia do clube

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter