Publicidade

X
CRIME BRUTAL

Vídeo: Homem que matou filha de 8 meses a jogando na parede é preso em SP

O assassino confesso alegou que matou a filha porque ela chorava muito; gravação tem gritos de 'maldito' e 'infeliz'

Publicidade

O assassino tem 18 anos de idade e confessou o crime aos policiais / Arquivo pessoal

O homem que assassinou a própria filha de 8 meses porque, segundo ele, a criança chorava muito, foi preso na tarde desta segunda-feira (20). Ele confessou que matou a menina jogando o corpo dela contra a parede.

O crime aconteceu na cidade de Piedade, no interior paulista e, segundo informações da Polícia Civil, o casal e a criança teriam ido a uma festa na tarde de domingo (19) onde o pai teria ingerido bebida alcoólica. Chegando em casa, o casal decidiu tomar banho e deixou a bebê no berço. 

Ao sair do banho, o homem, de 18 anos, confessou à polícia que encontrou a filha chorando e se irritou com o bebê. Por isso, teria decidido jogar o corpo da criança contra a parede. O texto conta com informações do "g1".

Um vídeo gravado no dia do enterro da criança mostra o momento em que o pai e assassino confesso da filha é preso:

 

 

Em depoimento à polícia, a mãe da criança, também de 18 anos, disse que pegou a filha no colo e sentiu seu corpo mole. Além disso, percebeu que ela estava com sangramento nas partes íntimas. 

A mãe conta ainda que a violência teria ocorrido por volta das 23h de domingo quando ela chamou a ambulância da Santa Casa de Piedade. A mulher diz também que chegou ao hospital por volta das 2h22 de segunda-feira. 

A bebê de oito meses chegou sem vida ao hospital, com hematomas pelo corpo, inchaço na cabeça e sangramento nas partes íntimas conforme confirmação da unidade.

O pai chegou a negar envolvimento no ato violento que legou à morte da criança, mas, durante o enterro da vítima, confessou o crime.

Um pedido um exame necroscópico/sexológico foi solicitado. A bebê foi enterrada na tarde de segunda-feira.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Inclusão

TRF suspende liminar que obrigava IBGE a incluir orientação sexual no Censo

Instituto argumenta que não teria tempo hábil nem orçamento suficiente para fazer o acréscimo das perguntas de forma adequada no levantamento

CPI do MEC

Suspeita de interferência de Bolsonaro aumenta pressão por CPI do MEC

A oposição no Senado ainda tenta engrossar com ao menos mais dois nomes o requerimento para criação de uma CPI do MEC

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software