X

NEGROS MORREM MAIS

Letalidade policial caiu 38% no estado de SP em 2022

Na contramão, as mortes cometidas pelos agentes em folga se mantiveram quase no mesmo patamar, com leve acréscimo

Da Reportagem

Publicado em 10/02/2023 às 20:02

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Embora os mecanismos de controle de força mostrem avanços na redução do número de mortes, outro estudo, de novembro, reforça um dado alarmante: negros são a considerável maioria dos mortos pelas polícias no País. / Divulgação

O número de mortes causadas por policiais no estado de São Paulo caiu 38% em 2022., segundo divulgado pelo Instituto Sou da Paz, os dados são da SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo).

A queda no índice de letalidade policial, tendência registrada no ano anterior, é atribuída aos mecanismos de controle da força adotados pela corporação, segundo especialistas ouvidos pelo R7.

“Desde 2020 há uma queda ininterrupta. Dá para afirmar que tem relação com essa política de profissionalização implementada na polícia de São Paulo. A câmera corporal é muito importante, mas nem de longe é a única e a grande resposta para isso”, afirma Carolina Ricardo, diretora-executiva do Instituto Sou da Paz.

Embora as bodycams sejam frequentemente apontadas como fator essencial na queda de 448 mortes em 2021 para 278 em 2022, quem se debruça sobre o tema assegura que a ferramenta é, na verdade, parte de um conjunto de mecanismos de controle do uso da força que tem reduzido a letalidade das polícias paulistas.

Policiais fora de serviço matam mais em 2022

Na contramão dos números da letalidade policial em serviço, as mortes cometidas pelos agentes em folga se mantiveram quase no mesmo patamar, com leve acréscimo.

Foram 144 registros em 2021 e 158 no ano passado, o que representa um aumento de 10%. “Um patamar que se mantém alto”, afirma Carolina Ricardo.

Segundo a diretora do Sou da Paz, essa é uma categoria mais complexa, uma vez que o contexto de cada episódio pode variar: há, prossegue ela, situações que envolvem policiais em "bicos", outros que reagiram a assaltos, violência interpessoal ou até casos de execução.

“É necessário olhar esse número como prioridade e desenvolver um diagnóstico preciso”, afirma a diretora do instituto.

Negros ainda formam a maioria dos mortos por policiais

Embora os mecanismos de controle de força mostrem avanços na redução do número de mortes, outro estudo, de novembro, reforça um dado alarmante: negros são a considerável maioria dos mortos pelas polícias no País.

A pesquisa “Pele Alvo: a Cor que a Polícia Apaga”, da Rede de Observatórios em Segurança Pública, revelou que, das 3.290 mortes ocorridas durante operações policiais em 2021 em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Maranhão, Pernambuco, Ceará e Piauí, 2.154 (65%) das vítimas eram negras.

No estado paulista, onde a maioria da população é branca — seis em cada dez, segundo a Fundação Seade —, a desproporção fica ainda mais evidente: 69% dos mortos por policiais eram negros.

 

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Apagão 2024

Mancha solar reaparece e pode causar apagão

A tempestade desse mês foi marcada por auroras boreais e austrais em vários lugares do mundo

LITORAL FLUMINENSE

Surfista de Guarujá conquista etapa nacional em Saquarema

O atleta entrou no torneio durante o tratamento de uma torção de joelho, e mesmo assim garantiu a primeira colocação

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter