X

APÓS PROTESTO

MBL pede para MP enquadrar MTST como 'organização criminosa'

Em resposta, a líder do MTST disse que que o MBL tem em seus membros defensores do 'nazismo e do turismo sexual em zonas de guerra'

Davi Medeiros, do Estadão Conteúdo

Publicado em 09/06/2022 às 17:28

Atualizado em 09/06/2022 às 17:38

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Manifestantes protestaram contra preços dos alimentos e outras pautas / MTST/Instagram

Integrante do Movimento Brasil Livre (MBL), o vereador Rubinho Nunes (União Brasil) protocolou no Ministério Público um requerimento para enquadrar o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) como organização criminosa. Um protesto realizado no shopping Iguatemi nesta quarta-feira (8) foi usado como justificativa para o pedido.

No documento, que também é assinado pelo pré-candidato a deputado estadual Guto Zacarias, os membros do MBL afirmam que o MTST gera "pânico contra inocentes proprietários de imóveis que não têm culpa a respeito dos problemas de falta de moradia no país". Também usam o termo "invasão" para se referir ao protesto no shopping e citam um trecho do código penal sobre "compartimentos não abertos ao público", embora a circulação no centro comercial seja livre.

"Entendemos haver indícios de prática delituosa que atenta ao Código Penal, bem como a princípios da Constituição Federal, em razão da formação de organização criminosa com o intuito de praticar os crimes de violação de domicílio", diz a representação.

Nesta quarta-feira, integrantes do movimento sem-teto protestaram contra a fome no Iguatemi, um dos shoppings mais luxuosos de São Paulo. Eles gritavam: "Não é mole, não. Brasil com fome, e aqui ostentação". Não houve confronto.

O ato, que durou poucas horas, coincidiu com a divulgação do 2º Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede PENSSAN). Os manifestantes levaram bandeiras e cartazes lembrando que o problema da alimentação atinge 33 milhões de pessoas no País, dado revelado pelo relatório.

Em nota, a coordenadora do MTST, Ediane Maria, disse que o movimento "luta pelo cumprimento da Constituição", que tem em um dos seus artigos o objetivo de "erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais". "Trabalhamos por quem mais precisa. Não podemos dizer o mesmo do MBL, grupo de origens obscuras cuja atuação é pautada no combate aos direitos sociais dos mais pobres", alegou.

A coordenadora também alegou que o MBL tem em seus membros defensores do "nazismo e do turismo sexual em zonas de guerra", em alusão aos episódios protagonizados pelo deputado federal Kim Kataguiri (União Brasil-SP) e pelo ex-deputado estadual Arthur do Val (União Brasil).

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Lançamento

Nova geração da XRE 300 chega as concessionárias em agosto; confira

Depois de um hiato de 15 anos, a Tornado voltará ao mercado unindo a essência clássica que a tornou famosa às tecnologias modernas

NOVA AMAROK

Novo carro da Volkswagen chega no Brasil em agosto; saiba qual

Modelo ficou na sexta posição em ranking de picapes médias

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter