X

MAIS UM CASO

Polícia investiga caso de racismo em vagão do Metrô de SP

Segundo a vítima, uma mulher loira teria dito a ela que o seu cabelo poderia transmitir doenças

CRISTINA CAMARGO, da FOLHAPRESS

Publicado em 03/05/2022 às 09:05

Atualizado em 03/05/2022 às 10:10

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

A polícia investiga o caso / Reprodução/TV Globo

A Polícia Civil de São Paulo investiga um caso de racismo que teria ocorrido em um vagão da Linha 1-Azul do Metrô no início da noite desta segunda-feira (2). O episódio provocou protestos e princípio de tumulto na estação Ana Rosa, na Vila Mariana, zona sul da capital.


Segundo as informações registradas em boletim de ocorrência, a vítima, Welica Ribeiro, estava com a família, que é do Rio de Janeiro, quando uma mulher branca e loira pediu para ela afastar a cabeça porque o cabelo poderia "passar alguma doença".


O irmão de Welica questionou a mulher e gravou parte da discussão. Outros passageiros ficaram indignados e protestaram na estação Ana Rosa gritando "racista, racista". A mulher branca saiu do local escoltada por seguranças e todos foram para o 27º DP (Distrito Policial), no Campo Belo, também zona sul, prestar depoimento.


Em nota, o Metrô informou que duas passageiras se desentenderam e uma delas foi acusada de injúria racial. "Os agentes de segurança do Metrô atuaram na proteção das partes. A PM foi acionada e as encaminharam para a delegacia".


Imagens gravadas por passageiros mostram que os seguranças precisaram conter algumas pessoas para que a suspeita de ter praticado racismo não fosse agredida enquanto era retirada da estação. Com celulares nas mãos e aos gritos, dezenas de pessoas acompanharam a mulher até a saída. Ela cobriu o rosto no trajeto.


No dia 26 de abril, um torcedor do Boca Juniors (ARG) foi detido na Neo Química Arena, em Itaquera, após ser flagrado fazendo um gesto racista contra a torcida do Corinthians, durante partida pela fase de grupos da Copa Libertadores.


O comerciante argentino Leonardo Ponzo, 42, não pagou a fiança de R$ 3 mil imposta a ele. O valor foi quitado pelo consulado argentino em São Paulo.


Ponzo foi filmado por torcedores do Corinthians fazendo gestos de macaco em direção aos brasileiros e depois identificado pelas câmeras de segurança do estádio.


Ao retirarem Ponzo da arquibancada, os policiais foram aplaudidos pelo público na Neo Química Arena.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Oportunidade

Prefeitura de SP tem 50 vagas para região sul do Estado; confira

Serão ofertadas 40 vagas para auxiliar de limpeza e 10 para auxiliar de manutenção predial

Acidente

Caminhoneiro morre carbonizado após tombar na rodovia Raposo Tavares

Carreta carregava farinha e trafegava no sentido interior-capital, quando tombou ao acessar o dispositivo de retorno que há no local

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter